PF afasta novo reitor de universidade em São Paulo envolvida em esquema de fraudes no Fies

O GLOBO

SÃO PAULO - A Polícia Federal realiza na manhã desta quinta-feira a segunda fase da Operação Vagatomia, responsável por investigar um esquema de fraudes no Financiamento Estudantil do Governo Federal (Fies) e venda de vagas no curso de medicina em um campus de Fernandópolis, no interior de São Paulo. Nessa segunda etapa, os policiais cumprem três mandados de busca na sede da escola e na residência do atual reitor. Na primeira fase da operação, o antigo reitor, que também é dono do grupo educacional, foi preso e afastado do cargo após comprovação das fraudes.Além de fraudes no Fies, também são investigadas fraudes relacionadas ao exame Revalida, destinado a avaliar o conhecimento dos alunos que estudam ou estudaram medicina no exterior, principalmente no Paraguai, na Bolívia e na Argentina.LEIA MAIS:PF prende donos de universidade por venda de vagas e fraudes ao FiesDe acordo com a Polícia Federal, após a prisão do antigo reitor, um advogado - que atuava como defensor dos investigados na primeira fase da operação - foi nomeado para ocupar a função de novo administrador da escola. Ao assumir o cargo, segundo a PF, o novo reitor teria ofendido e ameaçado investigadores, testemunhas e autoridades responsáveis pela apuração dos crimes. Ele foi, então, afastado e deverá cumprir uma série de medidas cautelares impostas pela Justiça Federal de Jales, interior do estado. Ele está proibido de ter contato com qualquer pessoa envolvida na investigação, funcionários, alunos e ex-alunos da instituição, e também não pode ter acesso à universidade. Além de ter sido afastado do cargo, também deve comparecer mensalmente à Justiça para informar suas atividades. Na segunda fase da operação, a Polícia Federal apreendeu documentos, celulares, mídias de armazenagem e computadores. O material será analisado para identificação de novos crimes.