PF do Amazonas mapeia rios em busca de balsas do garimpo ligadas a prefeito

Equipes da Polícia Federal (PF) do Amazonas efetuam nesta quarta-feira sobrevoos de helicóptero nos rios Jutaí e Bóia, no sudoeste do estado, em busca de balsas de garimpo ligadas a garimpeiros ilegais e ao prefeito de Jutaí, Pedro Macário Barboza, do PDT.

Amazônia: Confira imagens de garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami

Crimes: Garimpos autorizados em territórios proibidos chegam a 50 durante governo Bolsonaro

Eleições: Policial penal bolsonarista que matou dirigente petista em Foz do Iguaçu tem alta da UTI

O município fica a 750 quilômetros de Manaus e a 420 quilômetros do rio Itaquaí, onde o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips foram mortos em junho. No fim do ano passado, Pereira havia mapeado balsas ilegais de garimpo no trecho do rio Jutaí que corta a terra indígena Vale do Javari.

Mais cedo, a PF deflagrou a operação Uiara III, que cumpriu dez mandados de busca e apreensão em Jutaí e Manaus contra oito investigados, entre eles o prefeito e a irmã dele. A suspeita é a de que o prefeito e secretários do município tenham recebido propinas de garimpeiros envolvidos na mineração ilegal na Amazônia.

A PF investiga se o próprio prefeito é dono de balsas e dragas garimpeiras na região. Em novembro de 2021, Barboza foi preso com 257 gramas de ouro, avaliados em R$ 80 mil, no aeroporto de Tefé ao tentar embarcar num voo para Manaus.

Em nota, a PF informou nesta quarta-feira que a investigação visa desarticular uma organização criminosa voltada à prática de garimpo ilegal e crimes como corrupção ativa e passiva, além de crimes ambientais. Somadas, as penas podem ultrapassar 20 anos de prisão.

Caso encontrem balsas ligadas ao garimpo ilegal, os policiais procederão com a destruição dos bens, segundo o delegado Domingos Sávio Pinzon, da delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado da PF (DRCOR). Até o momento, nenhuma balsa foi destruída.

— Os sobrevoos estão acontecendo. Caso seja identificada ligação das balsas com o garimpo ilegal, a ordem é destruí-las no local — disse o delegado ao GLOBO.

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça Federal autorizou o afastamento do prefeito e de secretários dos cargos por 90 dias e a cassação de autorizações de garimpos de minério ilegal na região.

A Uiara III é a terceira fase da operação que começou em novembro do ano passado nos municípios de Autazes, Nova Olinda do Norte e Borba, quando três pessoas foram presas com 150 gramas de ouro ilegal extraído da calha do rio Madeira e 165 balsas de garimpo ilegal destruídas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos