PF compra veículos blindados para reforçar segurança dos candidatos

A Polícia Federal adquiriu 71 veículos blindados para reforçar a segurança dos candidatos e das equipes policiais dedicadas à proteção dos presidenciáveis durante a campanha eleitoral deste ano.

Em reunião para apresentar o planejamento do trabalho aos partidos políticos e à imprensa, a PF informou que teve gasto total de R$ 32 milhões em compras de diversos equipamentos para o trabalho a ser realizado durante o processo eleitoral. Além dos veículos, os gastos incluem aquisições de coletes balísticos, uniformes e outros itens.

Nas redes: Ludmilla e Holiday batem boca por conta de 'L' em show

Sonar: Ciro dá guinada na estratégia e intensifica ataques a Lula, mostra levantamento

Saiba mais: 'Estou conversando com muita gente que participou do golpe com a Dilma', diz Lula

A PF também estima um custo operacional de R$ 25 milhões a ser gasto ao longo do trabalho da campanha eleitoral, envolvendo principalmente os deslocamentos dos policiais federais para acompanhar os candidatos e pagamentos de diárias.

Segundo o coordenador de proteção à pessoa da PF, delegado Thiago Marcantonio, as aquisições de equipamentos também servirão para outros trabalhos realizados pela PF de segurança a autoridades públicas, como chefes de nações estrangeiras.

Apesar de o período de campanha só começar oficialmente em 16 de agosto, a PF começou a traçar as estratégias para esse trabalho de segurança em março. Desde abril, a corporação treinou servidores e convidados para formar as equipes de segurança, através do Curso de Proteção à Pessoa.

Bela Megale: Campanha de Bolsonaro fará de Michelle ‘recordista’ de aparições

Na reunião, a PF informou às equipes dos candidatos que desenvolveu uma metodologia para análise de risco que vai definir o tamanho das equipes de policiais destinadas para cada campanha presidencial. A informação foi antecipada pelo GLOBO. Essa análise de risco continuará sendo feita ao longo da campanha para identificar possíveis ameaças e necessidades de reforços.

A depender do risco, as equipes destacadas para cada candidato serão maiores ou menores. Uma campanha com risco máximo deve contar com o apoio de aproximadamente 30 policiais federais. O efetivo total mobilizado para a proteção dos presidenciáveis é de aproximadamente 300 policiais, que estão passando por um treinamento específico sobre o tema e terão apoio de profissionais de outras áreas, como apoio logístico, inteligência, grupos táticos e outros.

As campanhas também terão participação na escolha dos policiais federais que integrarão suas equipes de segurança, em conjunto com a PF.

Para o diretor-executivo da corporação, Sandro Avelar, a polarização da campanha eleitoral não significa necessariamente um aumento do risco.

— É notório que vai ser uma eleição que até o momento está muito polarizada, mas isso não implica em dizer que é uma eleição de maior risco. Mas estamos preparados para realizar o trabalho mesmo em um ambiente de muitas paixões — afirmou Avelar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos