PF cumpre mandados de prisão no RJ contra suspeitos de financiar atos golpistas

A Polícia Federal (PF) cumpre nesta segunda-feira três mandados de prisão temporária contra suspeitos de organizar e financiar "os atos que desencadearam a depredação dos prédios públicos e dos atentados contra as instituições democráticas" ocorridas em 8 de janeiro, em Brasília. Um dos investigados já foi preso na cidade de Campos dos Goytacazes (RJ). Outros dois não foram localizados.

Foragido: Saiba quem é o jornalista que usava tornozeleira eletrônica e ajudou a colocar bomba em caminhão em Brasília

Atos terroristas: Interventor do DF afirma que invasores feriram 44 policiais e quase mataram um PM

Também são cumpridos cinco mandados de busca e apreensão. A PF informou que aparelhos de telefone celular, computadores e documentos foram recolhidos em endereços ligados aos suspeitos.

De acordo com a PF, a investigação visava identificar as lideranças locais que bloquearam as rodovias que passam pelo município. Tratam-se das mesmas pessoas que organizaram manifestações em frente aos quartéis do Exército situados na cidade.

"Durante a investigação, foi possível colher elementos de prova capazes de vincular os investigados na organização e liderança dos eventos", diz a PF, em nota.

Veja: Imagens revelam violência no Planalto

Lauro Jardim: O motivo pelo qual as Forças Armadas não queriam retirar os bolsonaristas acampados diante dos quartéis

Os mandados da Operação Ulysses foram expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Com o cumprimento das ordens judiciais, a PF espera "identificar eventuais outros partícipes/coautores na empreitada criminosa".

Os suspeitos são investigados pelos crimes associação criminosa e incitação das Forças Armadas contra os poderes institucionais.

Ataques em Brasília

A invasão de manifestantes golpistas às sedes do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Palácio do Planalto em 8 de janeiro deixou um rastro de destruição. Milhares de pessoas marcharam para a Praça dos Três Poderes e conseguiram entrar facilmente nos prédios públicos.

Malu Gaspar: O cálculo político do PT para Bolsonaro ficar inelegível

A ação foi planejada previamente e anunciada nas redes sociais, mas quase nada foi feito para evitá-la. Uma vez dentro dos palácios, os invasores contaram com a colaboração de agentes de segurança.