PF deflagra operação contra incêndio, desmatamento ilegal e usurpação de terras da União no Amazonas

Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
Fumaça decorrente de queimadas próximas de Apuí. no Amazonas

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira a operação Pentaedro do Fogo para apurar queimadas, desmatamento ilegal e usurpação de terras da União em municípios do Amazonas.

Segundo a Comunicação Social da PF, a operação, que contou com o apoio logístico do Exército e da Força Aérea, cumpriu 27 mandados de busca e apreensão em Apuí, Manicoré e Maués, no sul do Amazonas.

As investigações da PF levaram em conta diligências em campo e a análise de imagens de satélite de alta precisão, que identificaram 10.093 focos de incêndio em municípios do sul do Amazonas de 1º a 20 de agosto de 2020. Também foi identificada a sobreposição de Cadastro Ambiental Rural (CAR) em propriedades de onde emanaram focos de incêndio.

Se condenados, os investigados poderão receber penas de até 15 anos de prisão pela prática de queimadas, desmatamento ilegal e usurpação de terras da União, entre outros possíveis crimes.

A Superintendência Regional da Polícia Federal no Amazonas, responsável pela operação, passou recentemente por mudanças. Na semana passada, o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, decidiu trocar o então superintendente no Amazonas, Alexandre Saraiva, responsável pelo envio ao Supremo Tribunal Federal (STF) de um pedido de investigação contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

A Amazônia brasileira perdeu 11.088 quilômetros quadrados de área de floresta entre agosto de 2019 e julho de 2020, um aumento de 9,5% em relação aos 12 meses anteriores e o número mais alto dos últimos 12 anos, segundo dados do Prodes, sistema de cobertura de satélite que dá a estimativa oficial de desmatamento do país.