PF deflagra operação para investigar desvios na Transpetro e mira advogado ligado a Renan

Veículo da Polícia Federal do Rio de Janeiro. 28/07/2015 REUTERS/Sergio Moraes

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram nesta sexta-feira mais uma operação que teve como alvo a realização de mandados de busca e apreensão no escritório do advogado Bruno Mendes, ligado ao líder do PMDB do Senado, Renan Calheiros (AL), em um desdobramento da Lava Jato, informou uma fonte da PF.

A operação Satélite 2 tem por objetivo coletar provas de crimes contra a administração pública, lavagem de dinheiro, corrupção, organização criminosa, entre outros, em investigações relacionadas a desvio de recursos da Transpetro, conforme nota divulgada pela Procuradoria-Geral da República.

Mendes foi uma das pessoas cuja a voz foi captada em gravação feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, um dos delatores da Lava Jato e ex-apadrinhado de Renan.

No encontro, realizado na residência oficial do Senado, presidida na ocasião por Renan, os presentes reclamaram das investigações da Lava Jato.

A empreiteira Mendes Junior também foi alvo do cumprimento de mandados de busca e apreensão.

Ao todo, a ação da PF e do MPF cumpre 10 mandados de busca e apreensão requeridos pela Procuradoria-Geral da República e autorizados pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) no curso de um dos mais de 10 inquéritos abertos na corte contra Renan.

As ações correm em endereços residenciais e comerciais em Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe, São Paulo e no Distrito Federal. Tem por objetivo, segundo o MP, coletar documentos, equipamentos, mídias e arquivos eletrônicos, aparelhos de telefone, valores e objetos nessas localidades.

A assessoria de imprensa de Renan Calheiros ainda não se manifestou. O senador embarcou nesta sexta-feira para Alagoas.

(Por Ricardo Brito)