PF é flagrado agredindo garoto de 13 anos com chineladas no rosto em condomínio no DF

·2 minuto de leitura
PF foi flagrado agredindo o garoto de apenas 13 anos - Foto: Reprodução
PF foi flagrado agredindo o garoto de apenas 13 anos - Foto: Reprodução
  • Agente da PF foi flagrado agredindo um garoto de 13 anos

  • Daniel Jardim teria ficado revoltado com crianças que esconderam o chinelo de sua filha

  • O advogado da vítima afirma que a mãe do adolescente também foi ameaçada pelo agressor 

Um servidor da Polícia Federal foi flagrado pelas câmeras do condomínio onde vive, em Brasília, agredindo um garoto de apenas 13 anos. O caso aconteceu no último dia 26, mas foi divulgado apenas nesta quinta-feira (7).

De acordo com informações do G1, o agressor foi identificado como Daniel Peruzzo Jardim, de 44 anos. Ele é agente administrativo da PF e tem porte de arma de fogo.

Leia também:

O advogado da família do adolescente explicou que na noite do episódio um grupo de jovens brincava na garagem do prédio e escondeu o chinelo de uma menina, que foi reclamar com o pai.

A garota era filha justamente de Daniel, que desceu para procurar o calçado já enfurecido. Ele teria encontrado o chinelo ao lado do adolescente, dando início às agressões.

Agressor é agente da Polícia Federal - Foto: Getty Images
Agressor é agente da Polícia Federal - Foto: Getty Images

“O homem desceu até a garagem e encontrou o par de chinelos ao lado do adolescente. Presumindo que teria sido o garoto que escondeu o chinelo da filha, o homem pegou a sandália e agrediu o menino com o calçado. Ele ainda chamou o menino de ‘ladrãozinho’", contou o advogado Júlio César da Silva Pereira ao G1.

O caso foi registrado na 4ª DP, no Guará II, como lesão corporal, injúria e ameaça. Segundo o documento, Daniel teria também ameaçado a mãe do adolescente.

Família cogita vender apartamento

Júlio César explicou que vai entrar com uma representação contra o policial federal. A corporação não respondeu sobre o comportamento do agente.

"Vou pedir também uma medida protetiva para ele não se aproximar do condomínio nem do menino, e vou entrar com uma ação por danos morais contra o condomínio por omissão", afirmou o advogado. "O menino não está conseguindo sair de casa, a mãe está pensando em vender o apartamento depois do ocorrido."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos