PF encontra dinheiro e fichas médicas em quarto de hotel usado como 'bunker' por prefeito na Baixada

Rayanderson Guerra e Pedro Medeiros
·2 minuto de leitura
Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo

72874788_CI Rio de Janeiro RJ 08-11-2017 BX Entrevista com o Prefeito de São João de Meriti Dr João.jpg

Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo

A Polícia Federal encontrou pesquisas eleitorais, fichas médicas e dentárias de pacientes com a indicação de intenção de voto e dinheiro em espécie (R$ 6 mil) em um quarto de hotel na rodovia Presidente Dutra, na Baixada Fluminense, atribuídos à campanha do prefeito de São João de Meriti, Dr. João, candidato à reeleição. Após receber uma denúncia anônima, a PF cumpriu mandatos de busca e apreensão no local e encontrou o material com três pessoas, que afirmaram trabalhar para um candidato a vereador da cidade. O Ministério Público Eleitoral (MPE) e a PF apuram indícios de que o dinheiro encontrado tenha como origem "caixa 2" e de que seria usado para a compra de votos.

De acordo com a denúncia anônima que gerou os procedimentos, apenas o deputado estadual Valdecy da Saúde, candidato a vice na chapa de Dr. João, o próprio candidato e seu genro, Marcio Reis, tinham acesso ao local. Na denúncia, há relatos de que o dinheiro chegava ao hotel em caixas e de que havia um esquema para impedir que funcionários entrassem no quarto.

Chegando ao local da diligencia, os agentes da PF encontraram três pessoas. Indagados, eles relatararam informalmente que faziam a inclusão de dados contidos em fichas para planilhas,e que trabalhavam para o candidato Nyno da Saúde.

Com a denúncia em mãos, a PF pediu a Justiça Eleitoral autorização para o cumprimento de mandados de busca e apreensão no local para apurar os indícios de crime. No dia 16 de outubro, a juíza Ana Carolina Villaboim da Costa Leite autorizou as diligências.

Nas buscas, a PF encontrou malotes com fichas médicas, listas para cadastro de pessoas na secretaria municipal de Saúde em São João de Meriti, fichas com a identificação de intenção de voto, computadores e R$6 mil.

Ao se manifestar favoravelmente às buscas, o MP Eleitoral afirmou que o caso pode se configurar, além de crime, como ato de abuso de poder econômico.

"Trata-se de fato gravíssimo, narrado com riqueza de detalhes, podendo configurar não somente a prática de crime, como também possível ato de abuso de poder econômico, merecendo desta forma apuração pela Justiça Eleitoral", diz o MP ao concordar com os mandados pedidos pela PF.

O prefeito Dr. João Ferreira diz em nota que "nem ele e nem o candidato a vice-prefeito, Valdecy da Saúde, têm qualquer envolvimento com esse caso".

O candidato a vereador Nyno da Saúde foi procurado, mas não respondeu.