PF encontra 'material orgânico aparentemente humano' em área de busca por indigenista e jornalista inglês desaparecidos

A Polícia Federal disse, nesta sexta-feira, ter encontrado 'material orgânico aparentemente humano' no rio próximo ao porto de Atalaia do Norte, que faz parte da área em que se concentram as buscas pelo indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips, desaparecidos no último domingo, no Vale do Javari, na Amazônia. Não se sabe ainda a origem do material, que ainda passará por perícia no Instituto Nacional de Criminalística.

Veja infográfico: Quais são as dificuldades nas buscas por Bruno e Dom?

STF: Entidade indígena informa Supremo Tribunal Federal sobre desaparecimento de jornalista inglês e indigenista

Entenda: Após ser exonerado de cargo no governo Bolsonaro, indigenista desaparecido pediu licença da Funai

Ainda segundo nota da PF, já foi feita a coleta do material genético de referência do jornalista e do indigenista desaparecidos. Ele será utilizado na comparação com amostras de sangue encontradas na lancha de Amarildo da Costa de Oliveira, conhecido como Pelado, o principal suspeito de envolvimento no desaparecimento da dupla. Amarildo teve sua prisão temporária decretada nesta quinta-feira.

Segundo a Polícia Federal, material genético foi coletado junto ao irmão de Bruno Pereira, em Recife. Material referente ao jornalista Dom Phillips foi coletado em Salvador, onde ele tem residência.

O desaparecimento da dupla foi alertado pela União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) nesta segunda-feira. O Vale do Javari é a região com a maior concentração de povos indígenas isolados do mundo.

Uma testemunha chave afirmou ter visto Pelado carregar uma espingarda e fazer um cinto de munições pouco depois que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips deixaram a comunidade de São Rafael com destino à Atalaia do Norte, na manhã do último domingo, data em que foram vistos pela última vez.

De acordo com a narrativa da testemunha, Pelado, a quem a testemunha se referiu como “homem muito perigoso”, já vinha prometendo “acertar contas” com Bruno e afirmou que iria “trocar tiros” com ele tão logo o indigenista aparecesse no local.

Logo depois que Bruno e Phillips deixaram a comunidade, um colega de Pelado foi visto em seu barco com o motor ligado em ponto morto, à espera dele. Outra pessoa também estaria deitada na embarcação, que estava perto de onde Bruno e Phillips desapareceram.

A testemunha contou ainda que, logo mais abaixo no rio Itaquaí, Pelado foi novamente visto no barco, desta vez com mais quatro pessoas, passando em alta velocidade. Depois disso, não foi visto mais. A testemunha disse ainda que não “resta dúvidas” de que ele e os demais foram atrás da embarcação para fazer “algo de ruim” contra a dupla.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos