PF faz busca e apreensão em casa de governador afastado do DF

Ibaneis Rocha (à esquerda) e os então futuros ministros Flávio Dino (Justiça) e José Múcio Monteiro (Defesa) dão entrevista coletiva em dezembro

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - A casa do governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), foi alvo de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal nesta sexta-feira por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), confirmaram à Reuters um dos advogados dele, Cleber Lopes, e comunicado divulgado pela PF.

Ibaneis foi afastado do cargo por pelo menos 90 dias por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes pouco depois da invasão e depredação das sedes dos Três Poderes em Brasília no último dia 8.

O governo local e autoridades das forças de segurança pública são investigadas por suspeita de terem tido uma atuação permissiva em impedir bolsonaristas radicais de realizar os atos de vandalismo.

Em nota, a PF e a Procuradoria-Geral da República disseram que a busca e apreensão contra o governador afastado envolve a casa e locais de trabalho dele. Acrescentaram que também é alvo de mandado o secretário interino de Segurança Pública do DF em 8 de janeiro, Fernando de Souza Oliveira.

"As medidas foram autorizadas pelo STF, a partir de pedidos da PGR. O objetivo é buscar provas para instruir o inquérito instaurado para apurar condutas de autoridades públicas que teriam se omitido na obrigação de impedir os atos violentos registrados naquela data em Brasília", disse o comunicado.

Segundo o advogado do governador afastado, a busca e apreensão da PF na casa de Ibaneis no Lago Sul, bairro nobre da capital, estava sendo acompanhada por advogados da equipe de defesa. O governador afastado, disse o defensor, não estava no local durante a ação dos policiais.

"A defesa está absolutamente tranquila, não há nada a esconder. A busca, embora faça parte do nosso modelo jurídico, é desnecessária e infrutífera", afirmou Lopes, ao acrescentar que o governador não tem relação com os fatos nem com a ação violenta de 8 de janeiro.