PF faz operação em três estados para prender responsáveis por ataque hacker ao Supremo

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL,  11.10.2017 - Sessão plenária do STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 11.10.2017 - Sessão plenária do STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal realiza nesta terça-feira (8) uma operação que mira suspeitos de ataques cibernéticos ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária nas cidades de Itumbiara (GO), Bragança Paulista (SP), Belém do São Francisco, Jaboatão dos Guararapes e Olinda, três municípios de Pernambuco.

A ação foi autorizada pelo ministro Alexandre de Morares. Os mandados de prisão ocorrem nas cidades pernambucanas.

No início do mês de maio, a área de tecnologia do tribunal identificou sinais do ataque hacker. A página da corte na internet foi derrubada. Acionada, a PF identificou os endereços de onde partiram os ataques e as pessoas responsáveis pela invasão.

Com as medidas judiciais, a intenção é identificar demais participantes dos atos praticados. Os investigados responderão pelos crimes de invasão de dispositivo eletrônico e associação criminosa, com penas que, somadas, podem chegar a cinco anos de prisão.

De acordo com a polícia, a operação foi batizada de Leet, termo usado no meio hacker para identificar uma "proeza formidável".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos