PF investiga mais casos de garimpo, pesca ilegal e tráfico na Amazônia

A Polícia Federal abriu 21,8% mais inquéritos para investigar garimpo, narcotráfico e pesca ilegal na Amazônia Legal em 2021 que no ano anterior. Dados da corporação obtidos pelo GLOBO via Lei de Acesso à Informação indicam que o total de investigações sobre estes três crimes passou de 966 para 1.177 no ano passado, o que significa uma média de cerca de três inquéritos por dia. Mas o número de investigações, de acordo com as autoridades, ainda está distante do ideal e é indício do aumento da criminalidade na região.

A Amazônia Legal compreende o Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Maranhão. Enquanto em 2020 foram 228 inquéritos abertos pela PF para investigar garimpo na região, em 2021, foram 269, uma alta de 18%. Em relação ao tráfico de drogas, o número de novas investigações passou de 695 para 872, alta de 25,5%. Somente os inquéritos sobre pesca ilegal não avançaram no ano passado, passando de 43 em 2020 para 36 no ano passado, uma redução de 8,3%.

— Há vários fatores correlacionados para esse aumento. Um dos pontos é a realidade econômica. O apelo econômico (da criminalidade) por conta da crise é muito grande — afirma o delegado Nilson Vieira dos Santos, coordenador de Repressão a Crimes Ambientais e Patrimônio Cultural da Polícia Federal, que também atribui o crescimento a melhorias na estrutura da corporação. — Apesar da carência de recursos humanos e até de logística e equipamento, a polícia está mais estruturada no Norte.

Santos critica, no entanto, a falta de coordenação entre a tecnologia e os meios efetivos para combater supostos crimes:

— Hoje temos um monitoramento perfeito por satélite. A gente consegue identificar uma embarcação, ver se tem um garimpo nascendo. Entretanto, não temos recursos humanos e logísticos para um pronto atendimento. Agora mesmo, nosso helicóptero quebrou e estamos muito tempo sem o aparelho. As distâncias são grandes.

Mais articulado

Neste ano, até o momento foram abertos 157 inquéritos para apurar garimpo ilegal na região, 502 para investigar tráfico de drogas e 17 sobre pesca ilegal, ou um total de 676, o que dá uma média de 3,63 inquéritos por dia, segundo informações enviadas pela Polícia Federal em 5 de julho. Procuradores que atuam na região alertam que há um aperfeiçoamento das atividades criminosas.

— Temos percebido que aquilo que era um pouco mais pontual, feito de forma muito mais rudimentar, tem se tornado um pouco mais articulado e com uma presença muito grande dentro de terra indígenas e de unidades de conservação. Atribui-se um pouco disso ao crescimento populacional, um pouco ao enfraquecimento das instituições, em parte até por conta da pandemia. Surgiu um espaço um pouco maior para esse tipo de crime. E são crimes que geram muito dinheiro — afirma o procurador da República Rafael Martins, que atua em Redenção, no Pará, e chama atenção para a necessidade de maior articulação entre as instituições, como a PF, o Ibama e a Funai.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos