PF ouve mais testemunhas sobre desaparecimento de jornalista e de indigenista

Jornalista e indigenista da Funai desapareceram na região do Vale do Javari, na Amazônia (Foto: Getty Images)
Jornalista e indigenista da Funai desapareceram na região do Vale do Javari, na Amazônia (Foto: Getty Images)

Resumo da notícia

  • Polícia Federal vai ouvir mais testemunhas sobre desaparecimento de jornalista e indigenista

  • Até agora, duas testemunhas já foram ouvidas pelas autoridades

  • Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips estão desaparecidos desde o último domingo

A Polícia Federal deve ouvir nesta terça-feira (7) mais pessoas sobre o desaparecimento do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. As pessoas contatadas pela PF tiveram contato com os dois antes do desaparecimento, que aconteceu no último domingo (5). As informações são do portal g1.

Eles faziam o caminho entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, na região do Vale do Javari, no estado do Amazonas. Na manhã desta terça-feira, as buscas foram retomadas.

Na última segunda (6), a Polícia Federal ouviu as duas últimas pessoas que encontraram Pereira e Phillips. Um era uma liderança indígena e o outro um pescador. Os dois não são suspeitos, mas falaram em condição de testemunhas. Segundo a TV Globo, os homens conversaram com Bruno e Dom no último sábado (4).

Pouco depois das 9h, o ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou que a pasta segue à procura dos dois desaparecidos, com ajuda da Funai, da Força Nacional e da Polícia Federal. De acordo com a TV Globo, a Marina também deve colaborar com a operação com um helicóptero, duas embarcações e uma moto aquática.

Entenda o caso

O indigenista Bruno Araújo Pereira, da Fundação Nacional do Índio (Funai), e o jornalista Dom Phillips, correspondente do jornal britânico The Guardian, estão desaparecidos. Eles faziam o caminho entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte e desapareceram, no estado do Amazonas.

A informação foi confirmada pela União das Organizações Indígenas do Vale do Javari e pelo Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Isolados e de Recente Contato.

“Os dois se deslocaram com o objetivo de visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próxima a localidade chamada Lago do Jaburu (próxima da Base de Vigilância da Funai no rio Ituí), para que o jornalista visitasse o local e fizesse algumas entrevistas com os indígenas”, informam em nota.

Bruno e Dom Phillips chegaram ao local em 3 de junho, por volta das 19h25, e no dia 5 voltavam para Atalaia do Norte, com uma parada da comunidade São Rafael, previamente agendada.

“Pelo que constam nas informações trocadas, via Dispositivo de Comunicação Satelital SPOT, eles chegaram na comunidade São Rafael por volta das 06:00h (...), e depois partiram rumo a Atalaia do Norte, viagem de aproximadamente duas horas.” Os dois deveriam ter chegado entre 8h e 9h, o que não aconteceu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos