PF pede para investigar ex-mulher de Bolsonaro por lavagem de dinheiro

A ex-esposa de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Valle (Foto: reprodução/Facebook)
A ex-esposa de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Valle (Foto: reprodução/Facebook)

A Polícia Federal pediu a abertura de uma investigação para apurar a movimentação financeira feita por Ana Cristina Valle, ex-esposa do presidente Jair Bolsonaro (PL), ao comprar uma mansão no Lago Sul, em Brasília. O imóvel é avaliado em R$ 3 milhões.

Segundo informações do jornal O Globo, a solicitação para que seja realizada a investigação acontece no âmbito da apuração sobre a análise das relações entre Jair Renan Bolsonaro, filho de Ana Cristina com o presidente, com empresários que tiveram reuniões com o governo federal.

O objetivo do delegado é apurar a legalidade na compra da casa e uma suposta lavagem de dinheiro.

Segundo um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, a compra da casa é “incompatível com o exercício da função pública de assessora parlamentar” de Ana Cristina Valle. Até junho, ela trabalhava como assessora da deputada federal Celina Leão, com salário líquido de R$ 6.200.

Além disso, de acordo com o documento revelado pelo O Globo, a compra teria sido feita por um intermediário. O imóvel está no nome de um corretor, que antes dizia que alugava a casa para Ana Cristina Valle. Ao declarar bens à Justiça Eleitoral, ela assumiu que é dona da mansão em Brasília.

Dono da casa

A candidata a deputada distrital Ana Cristina Valle (PP), declarou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ser dona de uma mansão em uma área nobre de Brasília.

Porém, essa casa, de cerca de 800 metros quadrados, é a mesma que ela informou ao portal UOL e à revista Veja ter alugado para morar com o filho, Jair Renan, no ano passado.

O então proprietário da mansão, Geraldo Antônio Machado, de acordo com a escritura do imóvel, comprou a casa por R$ 2,9 milhões, dias antes de Cristina se mudar. Os corretores avaliavam a casa em R$ 3,2 milhões.

Pouco mais de um ano depois, ainda segundo o jornalista Igor Gadelha, a ex-mulher do presidente declarou à Justiça Eleitoral que a casa era propriedade dela e valeria R$ 829 mil.

Apesar disso, o nome dela não está nas certidões da casa, e sim no nome de Geraldo Antônio Machado.