PF pede para Moro adiar depoimento de Lula e ex-presidente diz que é o maior interessado em falar

Lula durante evento do PT em São Paulo 24/3/2017 REUTERS/Nacho Doce

(Reuters) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que vai depor ao juiz Sérgio Moro quando e onde for preciso, já que é o maior interessado, pouco depois de a Polícia Federal ter pedido mais tempo para garantir a segurança do depoimento marcado para o dia 3 de maio.

"A hora em que for marcado o meu depoimento, eu estarei em Curitiba ou onde quer que seja, porque dentre todos, o Ministério Público, o Poder Judiciário e a imprensa, quem deseja a verdade é só o companheiro Lula", disse o ex-presidente em evento do PT em Brasília.

"Eu quero comparecer porque é a primeira grande oportunidade que eu não vou ser atacado e defendido pelas revistas, pela televisão, pelas rádios. Eu vou ter em viva voz o direito de me defender... porque faz três anos que eu estou ouvindo. A data é do juiz Moro. A hora que ele marcar, eu estarei lá", completou.

Mais cedo, a Superintendência Regional da PF no Paraná solicitou "mais tempo para realizar as tratativas com os órgãos de segurança e de inteligência para a audiência que será realizada".

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná disse em nota a Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância, que o depoimento de Lula na semana de comemoração do Dia do Trabalhador (1º de maio), "pode gerar problemas de segurança pública, institucional e pessoal", devido a notícias de "possível deslocamento de movimentos populares para a capital paranaense".

Lula será ouvido na ação da Lava Jato em que é acusado de receber propina da empreiteira OAS na forma de um apartamento tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, e no pagamento de armazenamento de seus bens pessoais.

O ex-presidente é réu em outras quatro processos.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)