PF prende bolsonarista Wellington Macedo, que participava da organização dos atos de 7 de setembro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO*** SAO PAULO, SP, BRASIL Alexandre de Moraes (ministro do Supremo Tribunal Federal). Cerimônia de posse do presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), desembargador no Salão dos Passos Perdidos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO*** SAO PAULO, SP, BRASIL Alexandre de Moraes (ministro do Supremo Tribunal Federal). Cerimônia de posse do presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), desembargador no Salão dos Passos Perdidos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal prendeu na tarde desta sexta-feira (3) o influenciador bolsonarista Wellington Macedo, que participava da organização de atos de 7 de setembro em apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

A prisão preventiva foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República e autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

O bolsonarista, que se identifica como jornalista, estava hospedado em um hotel em Brasília quando foi preso pela PF nesta sexta-feira (3).

Em nota, a Polícia Federal confirmou a prisão e não divulgou mais detalhes.

"A medida, cumprida em Brasília, tem o objetivo de aprofundar investigações em curso nos autos de inquérito que tramita naquela Corte", diz o texto.

A prisão foi feita no âmbito de investigação do financiamento e organização de manifestações antidemocráticas, com ataques a instituições como o STF e o Congresso.

Na terça-feira (31), Macedo publicou nas redes sociais uma mensagem que dizia que está sendo perseguido "por fazer jornalismo no Brasil". O texto estava acompanhado de um desenho em que Alexandre de Moraes é citado como "ministro sinistro" e aparece com uma foice ensanguentada. Macedo, por sua vez, é retratado amarrado por cordas e com um papel que diz "mordaça" em sua boca.

"Em que país que estamos? Jornalista, pai de família, cobrindo momentos históricos, e esses bandidos mandam a nossa nobre Polícia Federal para cumprir esses mandados. Tenho certeza que até eles têm vergonha do que estão fazendo, mas é o papel. Infelizmente, ordem de juiz se obedece", disse Macedo em áudio no mesmo dia.

Em 20 de agosto, endereços ligados o cantor Sérgio Reis, ao deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) e ao próprio Macedo foram alvos de mandados de busca e apreensão, também após solicitação da PGR.

Na ocasião, Macedo estava em Sobral, no Ceará, onde reside. O pedido da PGR de 20 de agosto o aponta como propagador do "ato violento e antidemocrático a ser realizado no dia 7/7/2021."

A peça diz que Macedo é coordenador nacional da Marcha para a Família e divulga amplamente a mobilização planejada pelo caminhoneiro Zé Trovão e possivelmente patrocinada pelo presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), Antonio Galvan.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos