PF prende ex-ministro Milton Ribeiro acusado de corrupção

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira (22) Milton Ribeiro, ex-ministro da Educação do governo do presidente Jair Bolsonaro, por suposta corrupção e tráfico de influência para favorecer aliados de pastores evangélicos com recursos públicos.

"Com base em documentos, depoimentos e o Relatório Final da Investigação Preliminar Sumária da Controladoria-Geral da União reunidos no inquérito policial, foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas", informou a Polícia Federal (PF) em nota.

A defesa de Ribeiro disse em nota enviada à AFP que a prisão preventiva, cumprida na casa do ex-ministro, é "injusta" e "indiscutivelmente desnecessária", antecipando que apresentará um habeas corpus para que recupere a liberdade.

O jornal Folha de S.Paulo revelou em março um áudio em que o ex-ministro garantiu que, a pedido de Bolsonaro, daria prioridade à liberação de recursos destinados à educação para municípios governados por "amigos" de dois influentes pastores.

Ribeiro renunciou ao Ministério da Educação em 28 de março, uma semana depois de estar no centro do escândalo e com a investigação que determinou sua prisão nesta quarta-feira aberta por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsonaro, que em março disse que colocaria a "cara no fogo" por Ribeiro e chamou a acusação de "covardia", tentou se desvincular de seu ex-ministro nesta quarta-feira.

"Que ele (Ribeiro) responda pelos atos dele. Peço a Deus que não tenha problema nenhum, mas se tem algum problema a PF está agindo, investigando, é um sinal que eu não interfiro na PF. Isso aí vai respingar em mim obviamente, eu tenho 23 ministros, mais uma centena de secretários, mais de 20 mil cargos em comissão... se alguém fizer alguma coisa de errado vai botar a culpa em mim?", disse Bolsonaro em entrevista nesta quarta-feira.

Ribeiro assumiu suas funções em julho de 2020 no governo de Bolsonaro, que chegou ao poder apoiado pelo eleitorado evangélico.

Além de Ribeiro, a polícia tenta cumprir outras quatro ordens de prisão e 13 mandados de busca nos estados de Goiás (centro-oeste), São Paulo (sudeste), Pará (norte) e no Distrito Federal.

Agentes da PF chegaram nesta quarta-feira à sede do Ministério do Educação em Brasília em busca de indícios para a investigação.

Essa pasta, liderada por Victor Godoy, ex-secretário-executivo quando Ribeiro era titular, disse em nota que "continua contribuindo com os órgãos de controle" para que a investigação envolvendo a "gestão anterior" seja esclarecida o quanto antes.

A Polícia indicou que também está investigando se Ribeiro e outros funcionários também cometeram crimes como corrupção passiva e prevaricação.

O crime de tráfico de influência tem uma pena prevista de entre 2 e 5 anos de prisão.

msi/aa/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos