Pfizer: primeiros resultados da fase 3 mostram que vacina contra covid-19 é "90% eficaz"

·2 minuto de leitura
A Pfizer afirma que a vacina é um 'avanço muito necessário' na luta contra a covid-19
A Pfizer afirma que a vacina é um 'avanço muito necessário' na luta contra a covid-19

O laboratório farmacêutico Pfizer anunciou nesta segunda-feira que sua vacina contra a covid-19 é "90% eficaz", de acordo com a primeira análise intermediária do teste de fase 3, a última etapa antes do pedido formal de homologação.

Esta eficácia de proteção ao vírus SARS-CoV-2 foi alcançada sete dias depois da segunda dose da vacina e 28 dias após a primeira, informaram o grupo americano farmacêutico e a empresa alemã de biotecnologia BioNTech em um comunicado conjunto.

O anúncio promissor provocou uma alta das Bolsas europeias e foi recebido como uma "grande notícia" pelo presidente americano Donald Trump. O presidente eleito Joe Biden destacou um novo sinal de "esperança", mas alertou que ainda resta uma longa batalha pela frente.

"Os primeiros resultados da fase 3 de nosso teste de vacina contra a covid-19 apresentam as provas iniciais da capacidade de nossa vacina de prevenir esta doença", afirmou o presidente da Pfizer, Albert Bourla.

"Demos um passo importante e estamos mais perto de prover aos cidadãos do mundo esta vacina, tão necessária para contribuir a acabar com esta crise sanitária mundial", completou.

O nível de eficácia da vacina foi medido pela comparação do número de participantes infectados com o novo coronavírus no grupo que recebeu a vacina e entre aqueles que foram submetidos a um placebo, de acordo com o comunicado conjunto. 

Com base em projeções, as duas empresas afirmaram que pretendem disponibilizar 50 milhões de doses no mundo em 2020 e até 1,3 bilhão em 2021.

No momento, as infecções de covid-19 registram recordes em vários países, com hospitais próximos do colapso e o aumento do número de mortes.

Desde o início da pandemia, mais de 50 milhões de casos foram diagnosticados no mundo e mais de 1,2 milhão de mortes foram registradas.

Pfizer e BioNTech são as primeiras publicar o resultado da análise intermediária da fase três, mas de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) outros nove projetos de vacina estão na mesma etapa. 

A farmacêutica americana Moderna, vários laboratórios estatais da China e a Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca coordenam alguns programas.

Até o momento, nenhuma vacina recebeu autorização de distribuição comercial em larga escala, mas as autoridades chinesas aprovaram o uso de emergência de algumas vacinas em desenvolvimento. Na Rússia, parte da elite política anunciou ter sido vacinada com o antígeno Sputnik V, que o governo espera disponibilizar nos próximos meses em todo o país. 

mh-app/mar/fp