Pfizer testa terceira dose da vacina para prevenir contra variantes do coronavírus

·1 minuto de leitura
A vial with a Pfizer BioNTech COVID-19 label is seen in this illustration photo in Warsaw, Poland on February 23, 2021. Pfizer has said it plans to significantly boost vaccine shipments to the U.S. government by this spring. This is according to a written testimony from company executives released Tuesday ahead of a House committee hearing on vaccines. (Photo by Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images)
Vacina da Pfizer já recebeu autorização de registro amplo no Brasil, mas governo ainda não tem acordo de compra (Foto: Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images)

A Pfizer e a BioNTech anunciaram nesta quinta-feira, 25, que estão testando o uso de uma terceira dose da vacina contra a covid-19. O objetivo é entender a resposta imune gerada pelo corpo contra novas variantes do coronavírus.

As empresas também conversam com autoridades regulatórias para testar a vacina em uma versão modificada, alterada especialmente para combater a mutação identificada na África do Sul, conhecida como B. 1. 351.

Leia também:

Mesmo assim, a Pfizer acredita que as duas doses da vacina que a empresa está usando atualmente serão eficazes contra a mutação. Os estudos, segundo a companhia, são uma precaução para caso seja necessário.

No estágio inicial do estudo, a terceira dose tem 30 microgramas e já foi testada em 144 pessoas. Todos os voluntários já haviam recebido as duas doses da vacina de 6 a 12 meses atrás.

Mikael Dolsten, chefe do departamento científico da Pfizer, afirmou à agência Reuters que a quantidade de mutações do coronavírus é maior do que o esperado. “Há uma probabilidade razoável de termos que tomar doses da vacina regularmente”, explicou. “Pode ser que você precise de uma dose de reforço a cada alguns anos, mas não necessariamente todo ano.”

A Pfizer e a BioNTech também pretendem começar estudos em crianças de 5 a 11 anos nos próximos meses.

No Brasil, o imunizante recebeu o registro definitivo, mas o governo federal não tem acordo para compra de vacinas da Pfizer.