Pfizer, uma empresa de 171 anos na corrida pela vacina contra a covid-19

Juliette MICHEL
·3 minuto de leitura
Mulher passa em frente à sede da Pfizer em Nova York, em 9 de novembro de 2020

Pfizer, uma empresa de 171 anos na corrida pela vacina contra a covid-19

Mulher passa em frente à sede da Pfizer em Nova York, em 9 de novembro de 2020

A Pfizer, em associação com a empresa de biotecnologia alemã BioNTech, acaba de anunciar um grande avanço no desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19. Confira a seguir alguns dados sobre este laboratório com um passado robusto. 

- Os primórdios -

Fundada por dois primos originários da Alemanha, Charles Pfizer, um químico, e Charles Erhart, um confeiteiro, em um prédio de tijolos vermelhos do bairro do Brooklyn, em Nova York, a Pfizer se apresentou à sociedade com um medicamento contra parasitas intestinais com aroma de amêndoas.

A empresa aproveitou a demanda por desinfetantes e analgésicos durante a  Guerra Civil (1861-1865) para dobrar sua receita.

Fabricante de produtos químicos e medicamentos, desenvolveu técnicas para produzir maciçamente o ácido cítrico, utilizado em particular em refrescos, e depois a penicilina durante a Segunda Guerra Mundial.

O grupo vendeu seu primeiro medicamento com a marca Pfizer em 1950, o antibiótico de amplo espectro Terramicina, antes de se expandir nos anos seguintes, tanto no âmbito internacional quanto no setor de medicamentos para animais.

- Do Viagra ao Xanax -

O Viagra, medicamento lançado em 1998 para tratar a disfunção erétil, é provavelmente o produto mais conhecido do laboratório, juntamente com o antidepressivo Xanax e o anticolesterol Lipitor. 

O grupo oferece medicamentos destinados ao tratamento do câncer, de doenças cardiovasculares e neurológicas, destinados tanto a pacientes particulares quanto a hospitais. 

Alguns de seus maiores sucessos de venda atuais (que rendem mais de 1 bilhão de dólares por ano) incluem o anticoagulante Eliquis, os tratamentos para o câncer Ibrance e Xtandi, a vacina antipneumocócica Prevnar 13/Prevenar 13 e os produtos para o tratamento para a poliartrite reumatoide Xeljanz e Enbrel. 

- Rendimentos estáveis -

A Pfizer tem gerado de forma regular há dez anos um volume de negócios de mais de 50 bilhões de dólares por ano, sem um avanço significativo, no entanto, devido à falta de um novo medicamento revolucionário que impulsione as vendas.

Seus ganhos no ano passado foram de 16,3 bilhões de dólares. O laboratório gastou cerca de 8,7 bilhões de dólares em 2019 em pesquisa e desenvolvimento, mas regularmente compra ou se aproxima de outras companhias para completar sua carteira de produtos.

Em 2019, por exemplo, anunciou a fusão de sua atividade de medicamentos não patenteados ao grupo farmacêutico Mylan para criar uma gigante mundial no setor dos genéricos.

A empresa emprega aproximadamente 88.000 pessoas em todo o mundo e vende seus produtos em 125 países. 

A Pfizer, que foi lançada na bolsa em 1942, tem um valor atual de 214 bilhões de dólares em Wall Street e é uma das líderes mundiais no setor farmacêutico.

- A corrida pela vacina -

Enquanto a pandemia de covid-19 se espalhava pelo mundo, o grupo se associou em meados de março à empresa alemã BioNTech para desenvolver uma vacina baseada em nova tecnologia genética. Rapidamente, os primeiros testes começaram em abril.

Uma vez selecionado o produto, uma vacina administrada em duas doses com três semanas de intervalo, começou um teste clínico em julho, com um total de mais de 40.000 participantes. 

O laboratório anunciou esta semana que, de acordo com dados preliminares, a vacina tinha eficácia de 90%. 

"É, sem dúvida, o avanço médico mais importante dos últimos cem anos", disse na segunda-feira seu chefe, Albert Bourla, à emissora americana CNBC. 

Se sua segurança for confirmada, a Pfizer prevê enviar um pedido de autorização à agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA) no fim de novembro. E planeja produzir 50 milhões de doses para o fim do ano e 1,3 bilhão em 2021.

bur-jum/lo/iba/ll/dg/mvv