PGR abre apuração preliminar sobre uso da estrutura do Planalto nos interesses da defesa de Flávio Bolsonaro

Aguirre Talento
·1 minuto de leitura
Pablo Jacob / Agência O Globo
Pablo Jacob / Agência O Globo

BRASÍLIA - A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu uma investigação preliminar para verificar se há indícios da existência de crimes na utilização da estrutura do Palácio do Planalto nos interesses da defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

No mês passado, a revista "Época" mostrou que as advogadas de Flávio se reuniram no Planalto com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) Augusto Heleno e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Alexandre Ramagem para pedir que apurassem eventuais desvios da Receita Federal na investigação patrimonial feita contra o filho do presidente, durante a investigação do caso da "rachadinha".

A apuração preliminar foi aberta após solicitação da deputada federal Natália Bonavides (PT-RN), que apontou a ocorrência dos crimes de advocacia administrativa e tráfico de influência.

O procurador-geral da República Augusto Aras enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira, na qual avisou ter aberto apuração preliminar sobre o assunto.

"A presente notícia-crime deu ensejo à instauração deNotícia de Fato no âmbito desta Procuradoria-Geral da República, a fim deviabilizar a apuração preliminar dos fatos narrados e suas circunstâncias, emtese, na esfera penal.Caso, eventualmente, surjam indícios razoáveis de possível(is)prática(s) delitiva(s) por parte dos noticiados, será requerida a instauração deinquérito nesse Supremo Tribunal Federal", escreveu Aras.