PGR começa a investigar Bolsonaro e Pazuello por crise na saúde no AM e PA

MATHEUS TEIXEIRA E MARCELO ROCHA
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, instaurou uma apuração preliminar para apurar a conduta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na crise de saúde no Amazonas e no Pará. A investigação também incluirá o crime de propagar a utilização de medicamentos que não têm efcácia científica comprovada devido à atuação de ambos em favor da hidroxicloroquina e do tratamento precoce contra a Covid-19. A decisão de Aras é uma resposta a uma notícia-crime protocolada pelo PC do B no STF (Supremo Tribunal Federal). A sigla afirmou que há "fortes indícios" da prática de prevaricação do chefe do Executivo e de seu auxiliar no colapso em Manaus e ressaltam que o mesmo cenário tem sido visto em municípios do Pará. O procurador-geral informou à corte que abriu uma notícia de fato, instrumento que permite a "apuração preliminar dos fatos narrados e suas circunstâncias, em tese, na esfera penal". "Caso, eventualmente, surjam indícios razoáveis de possíveis práticas delitivas por parte dos noticiados, será requerida a instauração de inquérito nesse Supremo Tribunal Federal", disse. Além dessa apuração, Pazuello já responde a um inquérito junto ao STF. No fim de janeiro, a PGR pediu a instauração de inquérito e, dias depois, o ministro Ricardo Lewandowski autorizou a instauração da investigação.