PGR denuncia governador do AM e mais 17 pessoas por crimes no enfrentamento à Covid

Ricardo Brito
·1 minuto de leitura
Enterro de vítima da Covid-19 em cemitério de Manaus

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e mais 17 pessoas por crimes cometidos na aquisição de respiradores para pacientes de Covid-19, informou o órgão nesta segunda-feira, um dia antes da instalação da CPI da Covid pelo Senado.

A investigação começou no ano passado, após notícias de que 28 aparelhos haviam sido comprados de uma loja de vinhos, e já foram deflagradas três fases de medidas como busca e apreensão autorizadas pelo ministro Francisco Falcão, relator do caso no STJ.

A acusação criminal feita pela subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, sustenta que na estrutura burocrática do governo do Amazonas, sob o comando de Lima, havia “uma verdadeira organização criminosa que tinha por propósito a prática de crimes contra a administração pública, especialmente a partir do direcionamento de contratações de insumos para enfrentamento da pandemia, sendo certo que, em pelo menos uma aquisição, o intento se concretizou”.

Segundo a PGR, o governador exerceria o "comando dessa organização criminosa voltada à prática de crimes diversos", sobretudo dispensa indevida de licitação, fraude à licitação e peculato.

Procurado, o governo do Amazonas não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A denúncia da PGR foi divulgada um dia antes da instalação pelo Senado da CPI da Covid, que investigará supostas irregularidades cometidas pelo governo federal, Estados e municípios --no caso dos dois últimos com recursos federais-- no enfrentamento à crise sanitária.