PGR diz que vai analisar denúncia de empresário sobre vazamento a Flávio Bolsonaro de operação da PF que expôs Queiroz

Marco Grillo
O procurador-geral da República, Augusto Aras 23/10/2019

BRASÍLIA – O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste domingo que vai analisar a denúncia de que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi avisado com antecedência sobre uma operação da Polícia Federal que atingiria seu então assessor Fabrício Queiroz. Ainda segundo o relato do empresário Paulo Marinho, ex-aliado da família Bolsonaro, o senador disse que a Operação Furna da Onça foi adiada para que não ocorresse durante o segundo turno da eleição presidencial e atrapalhasse a campanha do então candidato Jair Bolsonaro.

“O procurador-geral da República analisará o relato junto com a equipe de procuradores que atua em seu gabinete em matéria penal”, disse a Procuradoria-Geral da República (PGR), em nota.

Em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, Marinho disse que Flávio contou a ele e a dois advogados que foi avisado por um delegado da PF no Rio sobre a investigação que estava em andamento. De acordo com o relato, o senador revelou que a operação foi adiada para o período posterior à eleição e que foi orientado a exonerar Queiroz de seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) – o que ocorreu em 15 de outubro de 2018. Nathalia Queiroz, filha do então assessor, foi exonerada do gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados na mesma data.

Embora não tivesse Queiroz entre os alvos, a operação do Ministério Público Federal (MPF) expôs a movimentação financeira atípica dele, uma vez que ela constava entre os documentos recebidos por procuradores ao longo da apuração e que envolvia assessores de vários deputados.

Na entrevista, Marinho narrou o que teria sido discutido em um encontro no dia 13 de dezembro de 2018. Segundo ele, Flávio o procurou em busca da indicação de um advogado criminalista que pudesse defendê-lo na investigação que apura se havia um esquema de “rachadinha” em seu gabinete enquanto foi deputado estadual – a irregularidade seria operada por Queiroz. No encontro, segundo Marinho, o senador disse que um outro assessor (Miguel Braga) havia sido procurado na semana seguinte ao primeiro turno por um delegado da PF. Eles então combinaram de se reunir na porta da Superintendência da PF no Rio. Na ocasião, o delegado teria avisado sobre a Operação Furna da Onça, afirmado que a investigação atingiria assessores de Flávio e dito que iria “segurar” a deflagração da operação, para não prejudicar a campanha de Bolsonaro à Presidência.

De acordo com Marinho, o senador disse que Bolsonaro foi comunicado sobre o encontro. Em nota, Flávio disse que a declaração do ex-aliado é "invenção de alguém desesperado e sem votos" e que Marinho tem interesse em prejudicá-lo porque é seu substituto no Senado.

“Ele sabe que jamais teria condições de ganhar nas urnas e tenta no tapetão”, disse o senador, que acusa o empresário de “inventar” a história.