PGR não vê elementos para investigar Bolsonaro por supostas irregularidades no MEC

·1 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia do Dia do Exército em Brasília

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou não ver elementos para investigar o presidente Jair Bolsonaro por supostas irregularidades na liberação de verbas no Ministério da Educação, em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Em comunicado divulgado na noite de terça-feira, a PGR disse que a mera citação a Bolsonaro não é "capaz de imputar àquele a condição de investigado". Ressalvou que, se surgirem indícios durante o inquérito, ele poderá passar a ser alvo da apuração.

Responsável pela manifestação, a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, pediu a extinção de três petições que cobravam a apuração de fatos relativos ao MEC. Argumentou que já há um inquérito instaurado pelo STF a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, referente aos mesmos fatos.

Procurada, a Advocacia-Geral da União (AGU) não respondeu de imediato a pedido de comentário.

No final de março, o então ministro da Educação, Milton Ribeiro, pediu demissão do cargo em meio a suspeitas de que ele teria favorecido pastores evangélicos na distribuição de recursos da pasta. Ele é um dos alvos de um inquérito conduzido pela Polícia Federal sobre esse e outros fatos envolvendo a sua gestão à frente do ministério.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos