PGR quer identificar patrocinador de 7 de setembro, desde reunião na Faria Lima a refeições em acampamento

·1 minuto de leitura
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 11.09.2013 - Entrevista com o músico Sérgio Reis que após dez anos lança um disco de estúdio. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 11.09.2013 - Entrevista com o músico Sérgio Reis que após dez anos lança um disco de estúdio. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de pedir busca e apreensão contra Sérgio Reis e outros envolvidos na divulgação e organização das manifestações do dia 7 de setembro, a Procuradoria-Geral da República quer descobrir como seria financiado o evento contra os ministros do STF.

Estão na mira dos procuradores desde os gastos com uma reunião em um hotel na Faria Lima, em São Paulo, para debater o ato até a promessa de custeio da alimentação dos apoiadores que ficarão acampados em Brasília.

Para a investigação, o objetivo do grupo era de “afrontar e intimidar os poderes constituídos” ao ameaçar parar o país por 72 horas como forma de pressionar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a aceitar pedido de impeachment contra ministros do STF.

Alexandre de Moraes bloqueou conta de vaquinha via Pix que estava sendo feita para levantar recursos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos