PGR teve pedido negado de busca e apreensão de armas no gabinete de Carla Zambelli na Câmara

Ao solicitar autorização ao Supremo Tribunal Federal (STF) para realizar buscas em endereços da deputada Carla Zambelli (PL-SP) com o objetivo de apreender suas armas, a Procuradoria-Geral da República (PGR) também pediu o aval para vasculhar o gabinete de Carla Zambelli na Câmara dos Deputados para verificar se algum armamento estava escondido no local. O ministro Gilmar Mendes, do STF, barrou as buscas na sede do Legislativo, mas autorizou o cumprimento de mandados nos endereços residenciais da deputada em Brasília e São Paulo.

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira as buscas no apartamento funcional de Zambelli em Brasília e em dois endereços ligados a ela em São Paulo. Foram apreendidas três armas na ação.

O ministro considerou que não havia elementos suficientes para determinar buscas no gabinete da Câmara dos Deputados, mas apenas nos endereços residenciais.

A investigação preliminar foi aberta no STF depois que Zambelli sacou uma pistola em público em São Paulo, na véspera do segundo turno da eleição, e apontou a arma para transeuntes. As imagens circularam nas redes sociais na ocasião.

O ministro Gilmar Mendes havia determinado que ela devolvesse suas armas espontaneamente. Na semana passada, Zambelli entregou uma pistola, mas a PF detectou que havia outras armas vinculadas a ela e informou o caso ao STF. Por isso, foi realizada a ação desta terça-feira.

Gilmar também suspendeu o porte de armas de Zambelli, a pedido da PGR.