Pia Sundhage diz que seleção titular da Copa América ainda não está definida

A esperada renovação da seleção brasileira já está em curso, sob o comando da treinadora Pia Sundhage. Sem Marta, Cristiane e Formiga, trio que há mais de uma década é "a cara" da equipe, há espaço para outras atletas brigarem por vagas na escalação. De olho na Copa América, que começa no próximo dia 8, na Colômbia, a sueca ainda não fechou a lista de titulares e conta com os dois amistosos com o objetivo de reforçar a preparação para o torneio. A competição garante vaga na Copa do Mundo do ano que vem para os três primeiros colocados.

Luva de Pedreiro: Empresário diz que influenciador tem R$2 milhões para receber

Pior sequência desde 2015: Flamengo chega a cinco derrotas em seis jogos

— Buscamos algumas respostas, queremos saber se estamos bem o suficiente na defesa e no ataque, principalmente marcando gols. A Dinamarca e a Suécia são equipes bem diferentes das que enfrentaremos na América do Sul, mas esses amistosos são sobre competição, velocidade de jogo, situações de um contra um. Então, se formos bem nas situações novas que treinamos, servirá para ganharmos confiança — afirma a treinadora.

O primeiro jogo será na Dinamarca, país no qual o Brasil está treinando desde terça-feira. Pia afirma que a seleção precisa evoluir tanto na defesa quanto no ataque, mas ressalta a necessidade de marcar mais gols. Nos outros cinco jogos disputados neste ano, a equipe balançou as redes apenas seis vezes — três delas na vitória contra a Hungria, 42ª colocada no ranking da FIFA. Segundo ela, isso se relaciona à dificuldade de fechar um time titular para a Copa América, com atletas entrosadas.

— Acho que temos uma razão para não estarmos marcando gols o suficiente, e uma delas é que precisamos atuar do mesmo jeito e com jogadoras que tenham características similares para que elas se conheçam melhor — pondera a treinadora, que afirma que também conta com o banco de reservas para fazer a diferença. — A cada jogo tentaremos colocar em prática algumas coisas novas e, se conseguirmos achar essas titulares, confio que faremos mais gols.

Desmaio na piscina: Americana passa mal e é socorrida após apresentação de nado artístico em Mundial

As veteranas do ataque e favoritas para começarem a partida são Bia Zaneratto (Palmeiras), Debinha (North Carolina Courage) e Gabi Nunes (Madrid CFF), que vem se destacando na era pós-olímpica. Gabi Portilho, atacante do Corinthians, e Giovana Queiroz, do Levante, também estão na disputa pela titularidade. No meio de campo, Duda Santos e Ary Borges, dupla que atua pelo Palmeiras e soma três gols em jogos comandados por Pia, também podem ganhar uma chance.

A treinadora projeta o duelo desta sexta-feira contra a Dinamarca, que tem como uma das principais jogadoras a meia Pernille Harder, atual campeã da Copa da Inglaterra e da Super Liga Inglesa pelo Chelsea.

— A chave para fazermos uma boa partida é estarmos compactas. Falamos sobre compactação, mas também sobre balanço e precisamos ter certeza de que teremos um bom balanceamento na defesa e que nos movimentaremos em busca da bola. Temos que estar preparadas para todos os tipos de cenários, por isso é tão importante jogarmos contra diferentes equipes e, principalmente, as de alto nível. Será um bom desafio para nós — finaliza.

Depois do duelo desta sexta-feira, a seleção viaja no sábado para Estocolmo, onde se preparará para enfrentar a Suécia na terça-feira, às 13h30. As duas partidas têm transmissão da Globo e do SporTV.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos