PIB da França tem maior tombo em 71 anos no 1º trimestre, e país entra em recessão

PARIS - A economia francesa encolheu 5,8% noprimeiro trimestre de 2020, a maior queda desde 1949, quandocomeçaram os registros do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Como resultado, a França mergulha em recessão, já que é o segundotrimestre seguido de recuo na atividade econômica.

Otombo do primeiro trimestre supera amplamente as contrações dostrês primeiros meses de 2009 (-1,6%), provocada pela crisefinanceira global, e do segundo trimestre de 1968 (-5,3%), quandogreves e protestos de maio de 68 pararam o país.

No último trimestre de 2019, o PIB francês havia recuado 0,1%.

O Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos (INSEE) atribuiu o resultado ao confinamento decretado pelo governo para combater a Covid-19.

A queda da atividade "está principalmente relacionada com a paralisação das atividades não essenciais, no contexto da implementação do confinamento desde meados de março", explica o INSEE em um comunicado.

O Banco da França previu no início de abril uma contração de 6% do PIB do país no primeiro trimestre. Analistas da Reuters esperavam recuo de 3,5%.

O INSEE não publicou previsões para o conjunto de 2020, mas afirmou que cada mês de confinamento reduziria o crescimento francês em três pontos em ritmo anual e que a recuperação "vai demorar" após o confinamento, que deve ser flexibilizado a partir de maio.

O governo prevê uma queda do PIB de 8% para este ano.