Pioneiras da enfermagem são homenageadas pela Turma da Mônica

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta terça (12), Mônica e Magali se transformaram, respectivamente, em Ana Néri e Florence Nightingale, duas pioneiras da enfermagem, para homenagear esses profissionais no Dia Internacional do Enfermeiro, celebrado todo 12 de maio.

As enfermeiras se juntam a uma ampla lista de mulheres que marcaram a história e integram o projeto Donas da Rua da História, da Mauricio de Sousa Produções.

A inglesa Florence Nightingale, fundadora da enfermagem moderna, fez nascer uma das profissões mais essenciais na saúde ao ser pioneira no tratamento a feridos de guerra e defender a importância de medidas de higiene, como lavar as mãos. Além de profissional da saúde, foi estatística, reformadora social e escritora.

Desde 1938, Ana Néri, considerada heroína brasileira, é homenageada em todos os hospitais e escolas de enfermagem no Dia do Enfermeiro. Ela prestou serviços voluntários nos hospitais militares de Assunção, Corrientes e Humaitá, durante a Guerra do Paraguai.

Mônica virou Ana Néri para homenagear enfermeiros Mauricio de Sousa Produções Duas heroínas da saúde são muito lembradas em 12 de maio, data que no mundo inteiro é comemorado o Dia do Enfermeiro. Para Mônica Sousa, diretora executiva da MSP e criadora do projeto Donas da Rua, é preciso evidenciar sempre esses grandes nomes da saúde, principalmente neste momento. "São as mulheres que estão na linha de frente nos hospitais que motivarão as futuras profissionais da área de saúde", pontua a executiva.

Também da área da saúde, a última homenageada pelo projeto foi a infectologista Ho Yeh Li, escolhida pelo Ministério da Saúde para coordenar a missão de resgatar os 34 brasileiros que estavam na cidade chinesa Wuhan, na época o epicentro do novo coronavírus.

No Brasil, as mulheres respondem por 84,6% da equipe de enfermagem, segundo a Pesquisa Perfil da Enfermagem, realizada pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Segundo o Censo do IBGE, elas são a principal força de trabalho da saúde, respondendo por 65% dos mais de seis milhões de profissionais ocupados no setor público e privado, tanto nas atividades diretas de assistência em hospitais, quanto na Atenção Básica.