Piquenique ao ar livre é opção de festa econômica e segura na pandemia

Stephanie Tondo
·2 minuto de leitura

Em tempos de pandemia, os piqueniques ao ar livre se tornaram uma opção mais segura para fazer comemorações sem abrir mão das medidas de distanciamento social. Mas essa não é a única vantagem desse tipo de evento, que também pode ser bastante econômico se houver planejamento.

Mesmo antes da pandemia, as festas ao ar livre, em parques e gramados, já vinham começando a ganhar força, inclusive com o surgimento de empresas especializadas, que fornecem alimentação, decoração e mobiliário. No entanto, para quem não deseja gastar muito, o ideal é fazer os lanches em casa e providenciar a decoração por conta própria.

É o caso de Vivian Marcelle, integrante do time de "caçadores de ofertas" do "Qual oferta" — plataforma dos jornais EXTRA, O Globo e Expresso que reúne, no impresso e no digital, as melhores promoções de supermercados, drogarias e lojas de departamento de Rio e Grande Rio. Ela decidiu comemorar o aniversário de 16 anos da filha este ano com um piquenique na Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio, e pretende gastar menos de R$ 500 com a festa.

— Isso porque será uma festa para mais pessoas. Se fosse só para a família, gastaria menos de R$ 100. Eu mesma farei o bolo e vou levar sanduíches, salgados de forno, frutas e sucos — diz Vivian, que também vê como ponto positivo o fato de não precisar alugar mesas e cadeiras. — Vou levar a mesa aqui de casa, além de banquetas e um tecido para colocar na grama para as pessoas sentarem. A decoração também é mais simples, comprei umas borboletas para decorar.

Para divertir os convidados, a caçadora de ofertas também vai levar uma cama elástica, além de bola, jogos e raquetes.

— É a forma mais segura de comemorar. Estamos em um momento muito delicado, em que ainda há muitas mortes por Covid-19 — afirma.

Para economizar nos lanches, vale à pena apostar nas frutas da estação, que podem ser consumidas inteiras, misturadas em uma salada ou em sucos frescos. A nutricionista Vanessa Suaid também sugere reaproveitar as cascas dos alimentos em receitas, e afirma que elas podem ter até 40 vezes mais nutrientes do que a própria polpa. Entre as possibilidades estão bolos e doces feitos com casca de banana, além de suco ou chá com a casca do abacaxi.

— A casca da laranja, por exemplo, tem tantos nutrientes quanto a polpa da fruta. É possível aproveitá-la e fazer uma geleia caseira, o que deve gerar uma economia em torno de R$ 20 — aponta Vanessa.

Para evitar recorrer aos biscoitos industrializados, algumas alternativas são biscoito de polvilho caseiro, chips de banana ou maçã desidratadas, ou cookies caseiros de aveia, além de bolos e sanduíches.