Piquet será alvo de investigação da Polícia Federal por suspeita de atos antidemocráticos

O Ministério Público Federal (MPF) requisitou a abertura de um inquérito na Polícia Federal (PF) para investigar suspeitas de crimes contra o Estado democrático que teriam sido cometidos pelo ex-automobilista Nelson Piquet em declarações proferidas durante participação de manifestação que contestava o resultado da eleição do último domingo. Com isso, a PF fica obrigada a abrir a apuração.

Previsto em lei: manifestantes que pedem intervenção militar podem ser enquadrados em crime contra Estado democrático

Bloqueios e protestos: Moraes chama atos de 'ilícitos, antidemocráticos e criminosos' e garante que não há como contestar resultados

Bolsonarista, Piquet declarou em um vídeo que circulou nas redes sociais que queria ver o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "no cemitério" e defendeu ainda "botar Lula pra fora".

Para o MPF, as declarações proferidas em meio aos atos golpistas podem configurar incitação a atos violentos contra o presidente eleito e contra as instituições democráticas. Por isso, a Procuradoria solicitou o envio do caso à PF.

"Nesse cenário, as declarações proferidas por Nelson Piquet, em análise preliminar, aparentam não se limitar a meras expressões de opinião a respeito do governo eleito - situação em que seriam constitucionalmente asseguradas -, podendo constituir de forma concreta formas de incitação dirigida à população em geral, voltadas tanto à prática de violência contra o candidato eleito, assim como à animosidade entre as Forças Armadas e os poderes constituídos", escreveu o procurador Paulo Galvão, responsável pelo despacho.

Atos antidemocráticos: Moraes dá 48 horas para PRF apresentar lista de pessoas e caminhões multados por bloquear rodovias

Para ele, o caso pode configurar o delito de incitação a "animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade", punível com detenção de três a seis meses, ou outros crimes previstos na lei sobre delitos contra as instituições democráticas.

No documento, o procurador solicitou que a PF tome o depoimento de Piquet e também realize diligências para descobrir as circunstâncias da gravação do vídeo, como o autor e o local onde ocorreu a manifestação golpista.

O pedido de investigação ao MPF foi feito por um integrante do Conselho de Ética do PT. Mais cedo, o senador Humberto Costa (PT-PE) também havia anunciado que pediria apuração contra o ex-automobilista.

Procurada, a assessoria de Piquet ainda não se manifestou sobre o caso.