Pisa: elite dos alunos brasileiros fica atrás de estudantes pobres de dez países em Leitura

Bruno Alfano

Os alunos brasileiros da elite econômica e cultural tiveram desempenho em Leitura mais baixo do que os estudantes mais pobres de dez países ou regiões testadas no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa).

A informação foi divulgada nesta terça-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que aplica os testes no mundo.

Neste quesito, o grupo de mais ricos brasileiros ficou com 470 pontos. A média geral do país é de 413.

No entanto, os alunos mais pobres das províncias chinesas (Beijing, Xangai, Jiangsu e Zhejiang), Macau, Estônia, Hong Kong, Singapura, Canadá, Finlândia, Irlanda, Coreia do Sul e Reino Unido tem desempenho acima de 470. Eles variam entre 471 (Reino Unido) a 519 (províncias chinesas).

Ao todo, 78 países e economias realizaram a avaliação — nem todos, como o Brasil, compõem a OCDE, que é responsável pela aplicação do Pisa. Como o teste foi feito em 2018, não inclui a gestão Jair Bolsonaro, que tem como meta incluir o Brasil na OCDE.

São mais de 600 mil alunos participantes, entre 15 e 16 anos, de escolas públicas e particulares. Eles representam 32 milhões de jovens.

— Mesmo as nossas escolas de elite, quando são submetidas a testes que medem outras competências que não a cognitiva tradicional, se deparam com uma realidade que não é muito agradável — afirma Caio Sato, coordenador do núcleo de inteligência do Todos Pela Educação.

Já José Francisco Soares, membro do Conselho Nacional de Educação (CNE) e ex-presidente do Inep, afirma que o problema no Brasil é a desigualdade.

— Temos uma porcentagem pequena de estudantes nos níveis 5 e 6. Como o Brasil é grande, esta pequena porcentagem resulta em muitos alunos. Temos também escolas cujo desempenho é similar às escolas de países como os citados — afirmou o especialista: —Nosso problema é a média. A média brasileira, por causa das desigualdades é sempre muito baixa. A comparação que precisa ser feita é com o Vietnam em 2015. Um pais pobre que, incluindo a todos, obteve bons resultados.

Resultados apresentados

O Brasil está estagnado há uma década entre os piores níveis de aprendizado avaliados pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). De acordo com o resultado do teste de 2018, divulgado nesta terça-feira, 43% dos participantes brasileiros não aprenderam o mínimo necessário nas três áreas do conhecimento testadas: Leitura, Matemática e Ciências. Neste mesmo quesito, a média dos países que formam a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de apenas 13%.

A média brasileira ficou em 413 no quesito Leitura (57º do mundo), 384 em Matemática (70º) e 404 em Ciências (64º). As notas são levemente mais altas do que o último resultado, de 2015, mas insuficientes para serem consideradas um avanço, segundo o relatório da OCDE.

"No Brasil, o desempenho médio em matemática melhorou no período 2003-2018, mas a maior parte dessa melhoria ocorreu até 2009. Depois, em matemática, como em leitura e em ciência, o desempenho médio ficou estável", diz o texto.

O pior desempenho, considerando o aprendizado mínimo de apenas uma avaliação, foi em Matemática. Do total de alunos participantes, 68,1% não conseguiram esse patamar.

Isso significa que não conseguem usar algoritmos, fórmulas, procedimentos ou convenções básicas para resolver problemas que envolvam números inteiros — por exemplo, calcular o preço aproximado de um objeto em uma moeda diferente ou comparar a distância total entre duas rotas alternativas.

Mais de 90% dos estudantes em Pequim, Xangai, Jiangsu e Zhejiang (China), Hong Kong (China), Macau (China) e Cingapura, e perto de 90% na Estônia, alcançaram esse nível.

Em Ciências, 55,3% dos brasileiros não atingiram a aprendizagem mínima. Assim, eles não conseguem demonstrar conhecimento epistêmico básico, não sendo capazes, entre outras habilidades, de identificar questões que podem ser investigadas cientificamente.

Já no quesito Leitura, o melhor desempenho do Brasil, metade dos estudantes não atingiu a nota mínima esperada para essa idade. Assim, não conseguem nem identificar a ideia principal em um pedaço de texto.

Quando atingem esse nível de leitura, os alunos poderiam ainda "interpretar o significado em uma parte limitada do texto quando a informação não é proeminente, produzindo inferências básicas".

A boa notícia é que, em 2015, esses percentuais eram um pouco maiores: 70,25% em Matemática, 56,6% em Ciências e 50,99% em Leitura.