Pix completa um mês e 60% dos brasileiros já preferem o novo sistema de pagamentos

Letycia Cardoso
·3 minuto de leitura

Nesta quarta-feira, as operações do Pix completam um mês em vigor. E, até agora, o saldo foi bastante positivo. De acordo com uma pesquisa do Ibope, encomendada pelo C6 Bank, 60% dos brasileiros já preferem o novo sistema de pagamentos ao TED e ao DOC. Entre as pessoas que já fizeram o cadastro no sistema, o percentual é maior entre os homens na faixa etária de 25 a 34 anos e nas classes AB.

Até segunda-feira (14), de acordo com dados do Banco Central, 114.483.735 de chaves Pix já haviam sido cadastradas, sendo 109.445.596 delas referentes a pessoas físicas. Como cada pessoa ou empresa pode cadastrar várias chaves por conta, esse número não representa o total de indivíduos e organizações que aderiram ao novo sistema de pagamento. Dessa forma, nesse primeiro mês de operação, apenas 45.870.399 de usuários pessoas física e 2.938.635 de usuários pessoa jurídica fizeram o cadastro.

Leia também:

O levantamento do Ibope, que foi realizado entre os dias 18 e 24 de novembro por meio de entrevistas com 2 mil brasileiros, revelou também que 56% dos respondentes pretendem usar o Pix para quitar contas de consumo, como telefone, água e luz. Além disso, 45% disseram que têm a intenção de usá-lo para pagar produtos e serviços em estabelecimentos comerciais, o que pode ser feito através da leitura de QR Code na maquininha ou na tela do computador do caixa, por exemplo. Apenas 8% dos entrevistados não sabiam ao certo do que se tratava essa sigla.

As operações com cartões tendem a diminuir com a disseminação do Pix, já que 53% dos entrevistados alegam que irão preferir fazer pagamentos por meio do Pix ao invés de usar as maquininhas de cartão.

Veja ainda:

— O que a gente acredita é que, com o passar do tempo, as pessoas irão ficar mais seguras para usar esse meio de pagamento. E é normal que haja uma curva de aprendizado tanto para quem é pessoa física quanto para quem é jurídica — opina Luiz Fabbrine, líder da área financeira da consultoria Bip: — Eu fui à feira no fim de semana e vi que os feirantes da barraca de frutas já estavam recebendo via Pix. Para isso, estão imprimindo o QR Code em uma folha de ofício, o que torna bem mais prático e rápido para o cliente escanear, ao invés de ficar ditando a chave Pix toda hora.

Fabbrine ainda explica que, como o Pix é uma transação imediata, até então ele é uma alternativa ao uso do cartão de débito. No entanto, a partir do ano que vem, quando o Banco Central liberar o o sistema para transações futuras, ele poderá substituir também o cartão de crédito.

— O Pix agendado, previsto para o primeiro trimestre de 2021, vai representar uma grande evolução. Ao poder agendar a transação para uma data futura, e a operação ser garantida pela instituição financeira, o Pix começará a fazer concorrência com o cartão de crédito.