PIX é seguro? Saiba como proteger seus dados e evitar golpes com o 'subsituto de DOC e TED'

Lucas Carvalho
·4 minuto de leitura
Foto: Getty Images/Getty Creative
Foto: Getty Images/Getty Creative

Pix é o nome do novo sistema de transações financeiras totalmente eletrônico criado pelo Banco Central e que promete acabar com métodos obsoletos de transferência como DOC, TED e boleto. Em quatro dias, 21 milhões de cadastros foram feitos por pessoas interessadas em usar a novidade, que estará efetivamente disponível em 16 de novembro de 2020.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Transferência instantânea de dinheiro sem tarifas e entre quaisquer bancos? Parece muito bom para ser verdade. Tanto que criminosos já estão usando o Pix como isca para aplicar golpes de roubo de dados e de valores na internet. Segundo o Banco Central e algumas das empresas que já estão realizando cadastros de chaves, o novo sistema é seguro, mas requer atenção do usuário.

Leia também

O BC garante que, apesar da praticidade, a sua privacidade está protegida com o Pix. Todas as transações realizadas pelo novo sistema, assim como nas transações de TEDs e DOCs, têm direito ao sigilo bancário garantido pela legislação e estão debaixo da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Apenas a Justiça pode autorizar quebra desse sigilo em caso de investigação, como acontece com qualquer conta hoje.

As "chaves", que são o registro no Diretório Identificador de Contas Transacionais (DICT) – grande banco de dados com informações de todas as contas que poderão receber e enviar dinheiro através do novo sistema –, só podem ser criadas por instituições autorizadas pelo BC (confira aqui a lista) através dos respectivos aplicativos para smartphone.

As transações são protegidas, portanto, pela autenticação que você usar no app do seu banco ou carteira digital, como senha ou biometria. O tráfego de valores também é criptografado para que ninguém em outro dispositivo possa visualizar ou interceptá-lo remotamente.

Ou seja, a primeira dica para não cair em golpes é: não clique em links que oferecem cadastro de chaves do Pix fora do app do seu banco ou carteira digital. Recebeu um link de cadastro por SMS ou mensagem no WhatsApp? Desconfie e não passe-o adiante.

Qual chave é a mais segura?

A chave do Pix é a sua identificação dentro do sistema entre bancos. Com ela, você não precisará mais informar número de conta, agência, CPF, RG e todos aqueles dados para alguém quando for receber ou transferir algum dinheiro.

Cada pessoa física pode criar até cinco chaves por conta (empresas podem ter até 20), cada uma associada a apenas um dos seguintes dados:

  • CPF;

  • Número de telefone;

  • E-mail;

  • Combinação numérica aleatória.

Dessa forma, sempre que alguém quiser enviar dinheiro para você, bastará saber seu CPF, telefone, e-mail ou seu "código", conforme a chave que você tenha criado e queira utilizar. Todas elas têm o mesmo nível de segurança e funcionam apenas como um endereço para que você seja facilmente encontrado na rede do Pix.

Se você achar mais fácil informar seu CPF na hora de uma transação ou transferência, crie uma chave Pix com base no seu CPF. Se achar mais fácil ou seguro usar o número de telefone, crie uma chave com ele. O mesmo vale para o e-mail. A combinação numérica aleatória é uma espécie de senha ou código numérico criado pelo BC caso você não tenha ou não queira utilizar os outros dados.

Em tese, a combinação numérica é a mais "segura" porque protege seus outros dados pessoais, como número de telefone, CPF e e-mail. Porém, é a menos prática, porque pode ser esquecida ou confundida com maior facilidade.

Uma alternativa pode ser criar duas chaves para a sua conta: uma com um dado pessoal, como CPF, telefone ou e-mail, para usar com pessoas próximas, amigos e familiares; e outra com o combinação numérica, para usar com estranhos, vendedores pela internet ou outro estabelecimento comercial.

Outras dúvidas

E se alguma outra pessoa tentar cadastrar-se no Pix usando os meus dados pessoais? Neste caso, você receberá um alerta de que aquele dado pessoal está sendo utilizado em outro lugar. Você também pode reivindicar seus dados e comprovar que é dono deles, mas cada banco tem o seu processo.

Uma chave usada em um banco não poderá ser também usada para outro ao mesmo tempo. Mas, se quiser, você poderá fazer a portabilidade das suas chaves de uma conta para outra a qualquer momento. Lembre-se apenas que você só pode criar até cinco chaves por conta.

Criou uma chave com seu e-mail ou número de telefone, mas precisou mudá-los? Procure a instituição financeira onde você cadastrou-se no Pix para fazer a atualização dos seus dados.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube