Pix enfrenta gargalo com brasileiro sem acesso a banco, dizem fintechs

·1 minuto de leitura
Ilustração da capa do caderno PIX (Fernanda Giulietti/Folhapress)
Ilustração da capa do caderno PIX (Fernanda Giulietti/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRSS) - O percentual dos brasileiros que não têm acesso a produtos financeiros, como conta bancária, empréstimo ou cartão de crédito, chega a 13%, segundo pesquisa que a Zetta, associação de fintechs, divulga nesta quinta (2).

Para a entidade, que reúne marcas como Nubank, Mercado Pago e Banco Inter, a alta desbancarização, que atinge mais de 27 milhões de pessoas, é um dos principais gargalos para o futuro do Pix no país.

O presidente da Zetta, Bruno Magrani, diz que o percentual vem diminuindo nos últimos anos e que a pandemia acelerou a inclusão digital de muitos brasileiros. "Mas ainda assim há uma grande lacuna a ser preenchida", diz ele.

A pesquisa, feita pelo Datafolha, mostra que quase 70% dos brasileiros querem usar o Pix como meio de pagamento no dia a dia, em lugares como farmácias, supermercados, padarias e serviços médicos.

Magrani diz que a intenção de uso, somada à adoção do Pix no comércio e à ascensão das fintechs, tem potencial para promover a inclusão financeira no país.

O público jovem, com idade entre 18 e 24 anos, é o que mais cadastra chaves Pix —cerca de 70% deles já estão registrados. Entre os idosos, a porcentagem cai para 24%, mostra a pesquisa, que ouviu 1.520 homens e mulheres, de 18 a 70 anos, entre 25 de maio e 10 de junho, em todas as regiões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos