Pix fez transações de pagamento aumentarem em 40% durante 2021

O Pix ultrapassou o cartão de crédito e de débito no quarto trimestre (Getty Image)
O Pix ultrapassou o cartão de crédito e de débito no quarto trimestre (Getty Image)
  • Transações sem dinheiro físico aumentaram em 40%;

  • O Pix foi um dos meios de pagamentos mais utilizados;

  • 68% dos consumidores checaram extratos ou fizeram compras com o celular.

Rápido, prático e sem custos, o Pix impulsionou a movimentação financeira através de dispositivos tecnológicos.

Apenas em 2021, as transações que não envolviam dinheiro físico cresceu 40% em relação a 2020, de acordo com a “Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil”, divulgada nesta terça-feira (22) pelo Banco Central (BC).

O avanço registrado foi de 27%, para R$ 76,9 trilhões, o equivalente a nove vezes o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

“O crescimento da quantidade total de transações (excluídas aquelas em espécie) observado em 2021, em comparação ao ano anterior, se deu, principalmente, pela adoção acelerada do uso do Pix pela sociedade, como nova alternativa para efetuar seus pagamentos”, afirmou o BC, em nota.

Ao longo de 2021, ainda foi registrado um avanço no crescimento no uso do débito direto (9%) e do boleto (9%), e redução no uso do cheque, transferências interbancárias e intrabancárias.

“E, também, pela expansão do mercado de cartões, que manteve crescimento nas modalidades de crédito (34%), débito (18%), e pré-pago (213%)”, reforçou o BC.

Contudo, o Pix ultrapassou o cartão de crédito e de débito no quarto trimestre. As transações chegaram a 5,469 bilhões no fim do segundo trimestre de 2022.

O Pix se destacou ao longo dos meses, chegando ao patamar de 16% destas transações em 2021, em relação aos outros meios de pagamento.

Para realizar transações financeiras, o celular foi o principal canal para transações e consultas de extrato e saldo, em termos de quantidade, em 2021, com 68% do total.