PL admite ajuda para Lula aprovar o Bolsa Família de R$ 600

Valdemar Costa Neto, presidente do PL, deixou em aberto o apoio à proposta de Lula desde que a aprovação seja algo “bom para o país”. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Valdemar Costa Neto, presidente do PL, deixou em aberto o apoio à proposta de Lula desde que a aprovação seja algo “bom para o país”. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • PL admite que provavelmente votará a favor da proposta que viabiliza o Bolsa Família de R$ 600;

  • Promessa de campanha de Lula deve ser cumprida por meio de uma PEC de Transição;

  • Outros benefícios incluídos na PEC ainda não têm apoio definido do partido de Bolsonaro.

Parlamentares do PL, partido de Jair Bolsonaro, admitem que provavelmente irão votar junto com o PT a favor da proposta que viabilizará o Bolsa Família no valor de R$ 600 em 2023. O benefício também foi prometido pelo atual presidente, mas com o nome de Auxílio Brasil.

Uma das ideias da equipe de transição de governo de Lula (PT) é abrir espaço no Orçamento para bancar o valor por meio da aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição). O objetivo seria fugir do teto de gastos, regra que trava as despesas federais.

À coluna de Igor Gadelha, do Metrópoles, o deputado Carlos Jordy (PL) afirmou que os aliados do presidente ainda não discutiram ou estudaram a PEC “de forma profunda, até porque ainda nem têm o material”. Mas que, seguindo as promessas de campanha de Lula, é possível ter uma ideia do que será apresentado.

“Por isso, já discutimos entre alguns deputados e chegamos a um consenso, inclusive, com o líder Altineu [Côrtes, líder do PL na Câmara], de que uma das proposta que fatalmente teremos que endossar é a questão dos R$ 600. Foi o presidente Bolsonaro que criou, existem pessoas que dependem disso”, disse Jordy.

Outros benefícios sociais que podem ser incluídos na PEC, no entanto, ainda não têm apoio garantido do PL. Isso inclui o aumento real do salário mínimo, também prometido por Bolsonaro durante a campanha eleitoral.

Uma das lideranças do partido informou à coluna que eles precisarão ler o texto da PEC primeiro para então definir a posição da bancada. “Falei com 10 parlamentares do PT, ninguém soube me explicar a PEC”, comentou.

Valdemar Costa Neto, presidente da sigla, também deixou em aberto o apoio à proposta durante entrevista nesta terça-feira (8). Segundo ele, a aprovação está condicionada a ser algo “bom para o país”.