PL cogita candidatura de Michelle ao Senado em 2026

***ARQUIVO**** SÃO PAULO SP, BRASIL, 19-10-2022: Tarcísio de Freitas e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro,  articipam do evento, encontro Aliança Pela Vida, no Espaço Immensità.   (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
***ARQUIVO**** SÃO PAULO SP, BRASIL, 19-10-2022: Tarcísio de Freitas e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, articipam do evento, encontro Aliança Pela Vida, no Espaço Immensità. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O PL tem grandes planos para a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, considerada uma revelação na última campanha.

Ela deve assumir o PL Mulher assim que retornar com o marido dos EUA, com direito a sala em Brasília e oito assessoras. Dinheiro não deve faltar, uma vez que a lei eleitoral exige que 5% dos recursos do fundo partidário sejam destinados às alas femininas das legendas.

A ideia é que Michelle tenha uma presença nacional, percorrendo vários estados e lançando projetos para mulheres focados na defesa da família. Tudo para prepará-la para uma candidatura em 2026.

Uma das possibilidades aventadas é que ela transfira o domicílio eleitoral para São Paulo e busque o Senado.

A disputa no maior estado da Federação daqui a quatro anos é considerada atraente por vários motivos: são duas vagas, e os dois senadores que saem, Mara Gabrilli (PSDB) e Alexandre Giordano (MDB), são considerados pouco competitivos para a reeleição.

Também não haverá um governador em fim de mandato no páreo, uma vez que Tarcísio de Freitas (Republicanos) deve tentar mais quatro anos no cargo ou almejar a Presidência.

Outra opção é o Distrito Federal, mas provavelmente haveria a concorrência do atual governador, Ibaneis Rocha (MDB).

A ex-primeira-dama é vista no PL como alguém com futuro promissor na política, pelo carisma e boa entrada entre os evangélicos. Seu discurso na convenção do PL no Maracanãzinho, no ano passado, surpreendeu positivamente os caciques da legenda.