Planetas recém-nascidos podem ser descobertos caçando detritos

Planetas recém-nascidos podem ser descobertos caçando detritos
Planetas recém-nascidos podem ser descobertos caçando detritos
  • A existência de um protoplaneta pode ser indicada por material nos pontos de Lagrange;

  • Procurar planetas jovens muitas vezes não é uma tarefa simples;

  • Os astros são formados em espessas nuvens de poeira e gás conhecidas como discos protoplanetários,

Procurar planetas recém-nascidos que estão a dezenas, senão centenas, senão milhares de anos-luz de distância, muitas vezes não é uma tarefa simples. Os astros são formados em espessas nuvens de poeira e gás conhecidas como discos protoplanetários que giram em torno de uma estrela . Por conta disso, é muito difícil observar planetas jovens diretamente através de todos os detritos.

Até agora, os cientistas confiaram em pistas que podem inferir a presença de um protoplaneta, mas a maioria dessas pistas são bastante circunstanciais na melhor das hipóteses.

Pensando nessa dificuldade, Feng Long, um pós-doutorando do Center for Astrophysics, Harvard e Smithsonian, descobriu uma nova pista que pode indicar a existência de um protoplaneta: material nos pontos de Lagrange.

Examinando dados do Observatório ALMA do Chile pertencentes ao disco protoplanetário LkCa 15, localizado a cerca de 518 anos-luz de distância, ela notou "um anel empoeirado com dois grupos separados e brilhantes de material orbitando dentro dele", disse Long em um comunicado.Um desses cachos foi espalhado em um arco, enquanto o outro tomou uma forma granular.

"Este arco e aglomerado estão separados por cerca de 120 graus", disse ela. "Esse grau de separação não acontece apenas - é importante matematicamente."

Esse ângulo sugere que os dois feixes de material estão localizados em dois pontos de Lagrange. Quando dois corpos celestes estão gravitacionalmente ligados, como uma estrela e um planeta, existem cinco pontos no espaço onde sua gravidade e movimento orbital essencialmente se cancelam. Nesses pontos de Lagrange, o material permanece parado, essencialmente congelado no espaço. Com base no ângulo de 120 graus observado entre os feixes de material, Long suspeita que eles estejam localizados em L4 e L5, com um planeta localizado a 60 graus entre eles.

"Estamos vendo que este material não está apenas flutuando livremente, é estável e tem uma preferência de localização com base na física e nos objetos envolvidos", disse Long.

A tecnologia astronômica atual proíbe Long de confirmar sua hipótese, mas ela suspeita que outras observações de LkCa 15 do ALMA possam fornecer evidências adicionais para apoiá-la. Até então, Long espera que outros usem sua técnica de procurar detritos nos pontos de Lagrange para encontrar mais protoplanetas em potencial. "Espero que este método possa ser amplamente adotado no futuro", diz ela.