Planos odontológicos tiveram alta de 13% em beneficiários entre 2019 e 2021, diz estudo

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 01.08.2018 - Paciente é atendido por dentista em São Paulo. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 01.08.2018 - Paciente é atendido por dentista em São Paulo. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um estudo feito pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) mostra que os planos exclusivamente odontológicos registraram um aumento de 13% em novos beneficiários entre 2019 e 2021, passando de 25 para 28 milhões de adesões.

O número de procedimentos realizados em clínicas e consultórios, por outro lado, teve queda de 5% no período. Os dados estão reunidos em estudo divulgado nesta sexta-feira (22).

Segundo a análise, no ano passado as operadoras gastaram R$ 3,2 bilhões com assistência à saúde odontológica —um valor 16% maior em relação a 2020. De todos os procedimentos odontológicos feitos em 2021, 78 milhões (45%) foram atendimentos preventivos.

Na sequência aparecem as aplicações tópicas de flúor, com 32 milhões de procedimentos, e atividades educativas, com 15 milhões. Essas últimas ocorrem, por exemplo, quando o dentista passa orientações sobre escovação, uso do fio e prevenção de doenças, sendo mais comuns em consultas de rotina.

O estudo do IEE ainda mostra que em 2019, antes da crise da Covid-19, foram realizados 183 milhões de procedimentos odontológicos no Brasil por meio da saúde suplementar. Após a chegada do coronavírus, esse índice caiu para 154 milhões e, em 2021, subiu para 174 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos