Plantadores de coca pedem fechamento de mercado oficial na Bolívia

Milhares de plantadores de coca opositores marcharam nesta quarta-feira (7) rumo a La Paz para exigir do presidente da Bolívia, Luis Arce, o fechamento de um novo mercado no qual setores afins ao governo comercializam a folha.

Por lei, só pode funcionar o mercado da Associação Departamental de Produtores da Folha de Coca (Adepoca), que é opositora, mas o governo apoia um mercado paralelo gerido por 'cocaleros' do governista Movimento ao Socialismo (MAS).

O líder da Adepoca, Freddy Machicado, disse à AFP que ele e seus representados pedem "o fechamento deste mercado paralelo clandestino que pretendem fazer funcionar com fins eleitorais e políticos".

Na cidade de La Paz opera há quase meio século o mercado de Adepcoca, que comercializa de legalmente a folha de coca, produzida nos vales subandinos de Los Yungas.

No entanto, nos últimos anos começou a funcionar outro mercado com o mesmo fim, mas a Adepcoca alega que não só é ilegal, mas que também lhes causa prejuízos econômicos.

O governo argumenta que os dirigentes que administram o novo mercado foram escolhidos democraticamente e que o problema é entre dois grupos privados.

A disputa provocou nos últimos dois anos violentos confrontos de rua entre camponeses e policiais, que vigiam o mercado apoiado pelo governo.

Machicado disse que a marcha era pacífica e que se houver violência, vão responsabilizar o governo por fazer ouvidos moucos a seus pedidos.

A marcha rumo a La Paz começou no domingo de Los Yungas, uma região situada a 100 km, entre 1.200 e 1.800 metros de altitude, e espera chegar à sede do governo na manhã de quinta-feira.

Os manifestantes cruzaram nesta quarta´ o pico nevado andino La Cumbre, cerca de 4.000 metros acima do nível do mar.

Machicado assegura que "já passamos dos 30.000" afiliados da Adepcoca que participa da marcha, levando bandeiras bolivianas e repetindo palavras de ordem, como "Viva a coca! Viva Los Yungas!"

Em sua subida ao La Cumbre, os manifestantes pararam para descansar, se alimentar e mastigar coca que, segundo eles, ajuda a mitigar o cansaço e é fonte de energia.

Cerca de 90% do negócio da folha de coca legal da Bolívia, estimado em cerca de 173 milhões de dólares por ano, passa pelo mercado da Adepcoca, segundo dados da ONU.

jac/yow/mvv