Plantio de soja triplica na semana a 25% da área em MT; 2ª safra fica apertada, diz Imea

Por Roberto Samora
·2 minuto de leitura
Lavoura de soja em Primavera do Leste (MT)
Lavoura de soja em Primavera do Leste (MT)

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de soja em Mato Grosso triplicou em uma semana, atingindo 25% da área esperada para a safra 2020/21, mas ainda até bem atrás do índice de 64,5% verificado na mesma época da temporada anterior, uma vez que neste ano as chuvas foram escassas para iniciar os trabalhos, apontou nesta sexta-feira o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Até a sexta-feira da semana passada, agricultores tinham semeado soja em apenas 8,2% da área no maior Estado produtor do grão no Brasil.

Comparando os números com a média histórica, também há um atraso significativo: o indicador aponta para cerca de 50% neste período.

"Esta semana já veio um pouco mais de volume de chuvas, e o produtor também está acompanhando as previsões para a semana que vem, que deve aí sim consolidar chuvas mais abrangentes em todo o Estado", afirmou o superintendente do Imea, Daniel Latorraca, à Reuters.

Até o meio da próxima semana, as precipitações devem se avolumar nas principais regiões produtoras do Brasil, ocorrendo mesmo em áreas do Sul do país, segundo dados Refinitiv, o que pode permitir o avanço dos trabalhos.

Nos últimos sete dias, as chuvas atingiram principalmente áreas do Centro-Oeste do Brasil, com muitas áreas ainda recebendo menos chuva do que a média para o período, conforme dados da Refinitiv.

No Sul do país, as precipitações seguiram escassas.

https://amers2.apps.cp.thomsonreuters.com/cms/?navid=60528

https://amers2.apps.cp.thomsonreuters.com/cms/?pageid=awd-br-forecast-analysis-maps-ecop-degc&hour=12&date=20201023

"Então já estão começando a operação, alguns produtores (de Mato Grosso) mesmo que não tenham umidade suficiente, e outros que já tiveram chuva para fazer o plantio", acrescentou o superintendente do Imea, lembrando que agricultores estão correndo para realizar o plantio da soja em tempo que permita semear a segunda safra em janela climática adequada.

Segundo ele, agora ficou "muito apertado em relação à janela do milho", e o produtor "começa a ficar sem opção", por isso vai semear. Latorraca comentou ainda que o atraso da soja "comprometeu" para o algodão, especialmente no sudeste de Mato Grosso.

No entanto, evitou fazer qualquer comentário sobre o impacto na segunda safra.

Quanto mais tarde ocorre o plantio da chamada "safrinha", maior o risco de a lavoura receber menos chuvas para o desenvolvimento.

De forma geral, especialistas não estão vendo problemas para a produtividade da soja no Brasil, maior produtor e exportador global, em função do atraso.

A preocupação por ora é maior com a entrada tardia da safra da oleaginosa, assim como com o plantio da segunda safra, de milho ou de algodão.