Plataforma de cripto Genesis suspende resgates; celebridades são processadas

Por Alun John e Elizabeth Howcroft

(Reuters) - A plataforma de criptomoedas Genesis suspendeu resgates de clientes nesta quarta-feira citando o colapso da corretora FTX, à medida que um caos se espalha por todo o setor.

A FTX pediu proteção contra falência nos Estados Unidos na sexta-feira, na maior quebra do setor até o momento, depois que clientes sacaram 6 bilhões de dólares da plataforma em três dias e a rival Binance abandonou um acordo de resgate.

Um porta-voz da Genesis Global, dona da Genesis, que também oferece serviços de negociação e custódia de criptoativos, disse que "tomou a difícil decisão de suspender temporariamente os resgates e novas originações de empréstimos". Ele acrescentou que a Genesis está trabalhando para reforçar a liquidez para atender às obrigações dos clientes e que os negócios de negociação e custódia da Genesis não foram afetados.

O Grayscale Bitcoin Trust, maior fundo de bitcoin do mundo, caiu quase 7% nesta quarta-feira. O bitcoin caiu 2,6%, para 16.400 dólares. Ele caiu cerca de 20% este mês até agora. A corretora de criptomoedas Gemini disse que a Genesis "não será capaz de atender aos resgates dos clientes" dentro dos 5 dias úteis acordados para usuários do produto "Earn" da Gemini, em que usuários podem receber juros sobre saldos na plataforma.

Várias outras empresas cripto, incluindo Crypto.com e Tether, disseram que não tinham exposição ao Genesis.

A Genesis não está sozinha ao enfrentar as consequências do colapso da FTX. O banco de criptomoedas BlockFi, que antes admitiu ter exposição significativa ao FTX, planeja demissões enquanto se prepara para declarar falência, informou o Wall Street Journal na terça-feira.

Enquanto isso, processos judiciais dos EUA mostraram que Bankman-Fried, da FTX, enfrenta uma ação legal nos Estados Unidos de investidores alegando que as contas da empresa violaram uma lei da Flórida. O processo alega que as contas com rendimento FTX eram títulos não registrados que foram vendidos ilegalmente nos Estados Unidos.

O processo também busca indenização de celebridades que supostamente ajudaram a promover a FTX, incluindo o jogador de futebol americano Tom Brady e a tenista Naomi Osaka.

Representantes de Bankman-Fried, Brady e Osaka não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.