Plataformas de cashback garantem reembolso de até 50% do valor pago por cliente

Pollyanna Brêtas

RIO - Neste ano, além de correr atrás dos descontos, os consumidores da Black Friday poderão receber de volta uma parcela do que gastarem: o chamado cashback.

A ferramenta estimula o consumidor a adquirir itens de lojas parceiras, que devolvem um percentual do valor total da compra. Dependendo da plataforma, a devolução pode ser feita por meio de crédito para novas transações ou em dinheiro. Em média, o retorno é de 20%, mas durante a megaliquidação, há casos de até 50%.

— Quero comprar um jogo de toalhas, que apesar de não estar com desconto, devolve 50% do valor — conta a geofísica Marina Martins Bousfield, de 26 anos.

Para fazer jus à devolução, o consumidor deve se cadastrar em uma plataforma, site ou aplicativo e, uma vez inscrito, procurar o produto e a loja e ativar o cashback, redirecionado para a loja parceira.

Nilson Leis, economista e pró-reitor do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, alerta para o risco de vazamento de dados e informações bancárias:

— Com o cadastro, o site terá acesso a todos os seus dados. É preciso verificar se é realmente confiável.

Segundo André Amaral, diretor de Estratégia da Méiluz, plataforma de cashback, a segurança é a grande preocupação do setor:

— Para preservar os dados, as informações são armazenadas em servidores criptografados. Os dados bancários só são fornecidos no momento do resgate do dinheiro, e a transferência só é feita para conta de titular de mesmo CPF do comprador.