PM causou acidente que matou violinista, dizem testemunhas

Rian Rogério dos Santos tinha 18 anos e morreu no último dia 21. Foto: Arquivo Pessoal

Duas testemunhas da morte do violinista Rian Rogério dos Santos, de 18 anos, prestaram depoimento sobre o caso na última terça-feira (28). Segundo elas, o jovem foi atingido na nuca por um golpe de cassetete dado pelo policial Alexandre Aquino de Oliveira quando passou de moto por ele.

O golpe teria ocasionado confusão mental no jovem, que perdeu o controle do veículo e bateu em uma mureta. De acordo com as testemunhas, a agressão aconteceu quando o jovem passava de moto em frente a Escola Estadual Professor Natalino Fidêncio, em Carapicuíba, na Grande São Paulo, no último dia 21.

As pessoas que prestaram depoimento estavam em frente ao local quando tudo aconteceu e afirmaram que a viatura da ronda escolar estava estacionada na via e que Rian passou pela rua dirigindo a moto.

Leia também

Depois de alguns instantes, Rian voltou e passou pelo mesmo local onde estavam os PMs Aquino e Jorge Cassio de Lima. Eles foram reconhecidos por foto pelas testemunhas. De acordo com o depoimento de uma delas, “o policial que estava dirigindo a viatura, desceu com o cassetete na mão e o outro ficou encostado no muro da escola”.

Segundo as testemunhas, quando Rian passou de novo pelos PMs, Aquino andou até o meio da rua e bateu com o cassetete na parte de trás do pescoço do jovem “sem motivo aparente”. Após o golpe ele teria ficado desorientado e acelerado a moto, colidindo com uma mureta.

Depois disso, o PM Aquino teria ido até o local onde Rian estava caído e teria tirado uma foto dele. Em seguida, as testemunhas dizem que ele voltou até a viatura e foi embora sem prestar socorro. Uma delas ainda disse que ouviu populares pedindo para que o policial prestasse socorro, mas que ele respondeu que “não devia nada para ninguém”.

Questionada sobre o caso, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) disse que os dois PMs envolvidos no caso foram afastados do serviço operacional e que todas as circunstâncias envolvendo a ocorrência estão sendo investigadas.

O inquérito policial sobre a morte de Rian é acompanhado pelo 1º DP (Distrito Policial) de Carapicuíba. Além disso, a pasta afirmou que a Polícia Militar instaurou um Inquérito Policial Militar para apurar os fatos. A Corregedoria da corporação acompanha as investigações sobre o caso.