PM condenado por tortura e morte de Amarildo vai para prisão domiciliar

Major Edson dos Santos, condenado a 13 anos de prisão pela tortura e morte do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza - Foto: Reprodução

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Amarildo desapareceu em julho de 2013 após ser levado por PMs na Rocinha

  • Neste ano, 4 PMs condenados pelo crime já foram soltos

O major Edson dos Santos, condenado a 13 anos de prisão pela tortura e morte do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, vai poder cumprir a pena em casa e usar tornozeleira eletrônica. Antes, o PM estava em regime semiaberto.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Ele comandava a Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha em 14 de julho de 2013, quando Amarildo foi retirado de casa por policiais militares da unidade e nunca mais voltou. Investigações do Ministério Público comprovaram que ele foi levado até a base da UPP e torturado até a morte. Seis anos depois, o corpo do pedreiro ainda não foi encontrado.

Leia também

25 policiais militares foram denunciados pelo crime, e sete deles foram expulsos da instituição. Edson dos Santos foi condenado por tortura seguida de morte, ocultação de cadáver e fraude processual em 2016, junto com outros 12 PMs. Quando a decisão foi divulgada, um deles já havia morrido. Em março deste ano, a Justiça do Rio absolveu quatro outros e reduziu a pena do tenente Luis Felipe Medeiros, subcomandante da UPP quando Amarildo foi morto.

Mesmo condenado, Edson dos Santos ainda está na Polícia Militar. Na decisão, a juíza determina que ele passe para o regime domiciliar e não aberto porque “como é público e notório”, o estado tem apenas uma casa de albergue para presos e as vagas são insuficientes. Por isso, decidiu por um regime mais brando.

O Major precisa ficar em casa das 22h às 6h, e não pode sair nos dias de folga, o que inclui sábados, domingos e feriados. Também não pode sair do estado o mudar de casa sem pedir autorização à Justiça. Uma vez a cada dois meses, deve comparecer ao Patronato Magarino Torres para justificar suas atividades e assinar um boletim de ocorrência.