PM de folga é morto ao ser reconhecido em barbearia no Rio

O policial estava de folga em uma barbearia quando foi surpreendido pelos criminosos. (Foto: Reprodução/Instagram)

O capitão da Polícia Militar Anderson Azevedo Galvão, 45 anos, foi morto a tiros, na terça-feira (23), por criminosos dentro de uma barbearia, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O policial estava de folga.

As informações são do jornal Extra.

De acordo com a polícia, Anderson cortava o cabelo quando foi reconhecido pelos bandidos, que dispararam contra ele. O capitão foi socorrido ainda com vida, mas morreu antes de chegar ao hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

O crime é investigado pela Delegacia de Homicídios (DH) da Capital. Agentes da especializada buscam câmeras de segurança e testemunhas que possam ajudar a solucionar o caso.

O disque-denúncia divulgou um cartaz e oferece uma recompensa de R$ 5 mil para quem repassar informações que levem aos responsáveis pela morte do policial.

HISTÓRICO

O capitão estava na Corporação desde 2006, e teve um papel de destaque sob o comando da UPP Lins, na Zona Norte do Rio. Após treze anos, ele se despediu da unidade e fez uma publicação nas redes sociais, no dia 20 de março, ressaltando os aprendizados como policial.

Rodrigo deixa um filho.

Leia mais

"A minha carreira ficou marcada pra sempre, de forma que passarão os anos e quando se referirem ao meu nome hoje e no futuro dirão: ‘aquele que comandou o Lins?’. Sim e não, porque eu mal precisei comandar o Lins e vou explicar por que!", afirmou o capitão.

"Eu me integrei ao Lins, vivi o cotidiano dos meus subordinados, facilitei a vida deles, e eles suaram muito, lutaram diariamente comigo, sabiam que eu era por eles e eles foram por mim, defenderam meu nome, devolveram com o mesmo orgulho cada continência, e eu só precisei ajudar”.