PM e Polícia do Exército preparam desocupação de acampamento golpista no DF

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - Golpistas invadem o salão principal do Palácio do Planalto, em Brasília, e confrontam tropa de choque. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - Golpistas invadem o salão principal do Palácio do Planalto, em Brasília, e confrontam tropa de choque. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A PM do Distrito Federal cercou na manhã desta segunda-feira (9) o Quartel-General do Exército em Brasília para cumprir a determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), de retirada de todos os bolsonaristas acampados no local.

Em operação junto com a Polícia do Exército, os policiais deram cerca de 1 hora para que os manifestantes radicais recolham seus pertences e deixem o acampamento. Eles também informaram aos presentes que quem seguir no local será detido.

Alguns bolsonaristas deixaram o acampamento utilizando ônibus disponibilizado pelo governo do DF. Uma barreira de agentes de segurança acompanha a movimentação.

A ideia da cúpula militar é pressionar bolsonaristas a se retirar do local de maneira pacífica, evitando confronto. Alguns golpistas, contudo, mostram resistência. Um manifestante que xingava as forças de segurança foi detido.

No começo da manhã, os policiais começaram a entrar no acampamento, que já dura mais de 70 dias. Outras tentativas pacíficas já fracassaram.

Na noite de domingo (8), o Exército impediu a entrada da Polícia Militar do Distrito Federal na área em que bolsonaristas extremistas estão acampados em Brasília, em frente ao quartel-general da Força.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou o afastamento do cargo do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

A suspensão determinada por Moraes vale por 90 dias e ocorre horas depois que bolsonaristas radicalizados invadiram e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o STF.

O ministro também determinou a desocupação de todos os acampamentos montados nas imediações de quartéis do Exército pelo país.

Ele ordena a "prisão em flagrante de seus participantes pela prática de crimes" e afirma que as operações deverão ser realizadas pelas polícias militares, "com apoio da Força Nacional e Polícia Federal se necessário".