PM enviado ao DF defende extremistas e é mandado de volta para casa

PM enviado para reforçar segurança no DF disse que iria tratar extremistas “da melhor forma possível”. (Foto: Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)
PM enviado para reforçar segurança no DF disse que iria tratar extremistas “da melhor forma possível”. (Foto: Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)
  • PM enviado para reforçar segurança no DF disse que iria tratar golpistas “da melhor forma possível”;

  • Após fala em vídeo, o agente teve que abandonar missão e é alvo de processo administrativo;

  • Policial disse ter sido mal interpretado, mas ainda não explicou o que quis dizer no vídeo.

Enquanto se dirigia à Brasília (DF), um policial militar de Alagoas gravou um vídeo em que afirma não haver ‘marginal’ entre os golpistas e que iria tratá-los da “melhor forma possível”.

A fala repercutiu mal no governo alagoano, que determinou afastamento imediato do agente da missão. Além disso, foi aberto um procedimento administrativo para investigá-lo.

O soldado Diego Sabino integra o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da PM de Alagoas. Ele fez o vídeo de dentro do avião, na última segunda-feira (9), enquanto aguardava a decolagem.

“Toda manifestação é válida, mas ela tem de ser pacífica, e isso que vamos tentar fazer [em Brasília]: pacificar. Lá não tem nenhum marginal. Vamos tentar tratar essas pessoas, esses manifestantes da melhor forma possível”, disse o PM no vídeo.

O estado mandou 50 militares para a capital federal após os ataques terroristas promovidos por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no domingo (8).

Em resposta ao portal UOL, o soldado afirmou que a fala foi mal interpretada e que ele ainda iria explicar o que realmente quis dizer na gravação.

Segundo apuração do colunista Carlos Madeiro, do UOL, a cúpula da política viu o ato como uma demonstração de imaturidade do policial, que deveria ter focado em cumprir as ordens, e não em fazer juízo de valor da situação antecipadamente.

Além dos militares alagoanos, a missão incorporou agentes da Força Nacional e policiais de mais de dez estados para reforçar a segurança em Brasília.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.